Bock exclui FC Lixa do lote de candidatos à subida de divisão (C/ÁUDIO)

Futebol Clube da Lixa, que continua a ser comandado por Bock, parte para a nova época com expetativas moderadas.

Em 2016/2017, o emblema do concelho de Felgueiras qualificou-se para a fase de subida da Divisão de Elite da Associação de Futebol do Porto (AFP), mas o técnico afirma que “será difícil igualar o registo da temporada anterior”.

Bock lembra que a equipa azul e branca não teve “arcaboiço financeiro” para segurar alguns dos jogadores que foram preponderantes na campanha realizada.

“Ao contrário do que muita gente pensa, o Lixa é uma das equipas com o orçamento mais baixo desta divisão e não é fácil manter os jogadores depois daquilo que aconteceu na época anterior”, elucida.

“Perdemos o Fábio, o Jussane, o Rúben, o Andrezinho, não vamos negar que são jogadores importantes, mas o futebol é mesmo isto”, afirma conformado.

Ainda assim, Bock congratula-se pelo facto de ter conseguido manter o “núcleo duro do ano passado”.

“Era importante para mim mantê-los, não só pela sua qualidade futebolística, mas também pela sua qualidade enquanto seres-humanos. É com eles que vamos para a frente e tentar dignificar a camisola do Lixa”, sublinha.

“Eu também, felizmente, tive algumas propostas para sair, mas não quis, porque preferi continuar neste projeto e mais um ano no FC Lixa é importante para mim. Entendi que não era a altura ideal para sair”, revela o treinador que se estreou na função na temporada transata.

O defesa Paulinho (ex-Amarante), o médio Jorge Moreira (ex-Amarante) e o ponta-de-lança Fábio Freitas (ex-Barrosas) são, até ao momento, as caras novas do plantel.

Fábio Freitas regressa ao Lixa após um ano ao serviço do vizinho Barrosas
Fábio Freitas regressa ao Lixa após um ano ao serviço do vizinho Barrosas

“Estes jogadores que vieram têm outras características, mas de uma coisa eu sei: no lado humano vão trazer muito à equipa”, garante Bock.

O treinador dos azuis e brancos acredita que “com maior ou menor dificuldade o Lixa vai conseguir a manutenção” na Divisão de Elite, colocando outros adversários na linha da frente na luta pelo acesso aos nacionais.

“O Rebordosa é sempre um candidato muito forte, com excelentes condições de trabalho e financeiras. O Aliados de Lordelo também se reforçou bastante e foi buscar um treinador capaz de fazer um excelente trabalho. O Paredes foi buscar jogadores à 2ª Liga. O Barrosas foi das equipas que se reforçou melhor. O Tirsense não vai querer falhar outra vez a subida e tem um orçamento elevado. E não posso esquecer o Vila Meã, que derivado aos jogadores que foi buscar, vai ter uma palavra a dizer”, enumerou.

“Este ano o campeonato vai ser muito mais competitivo”, conclui.

 

Luís Miguel Nogueira