Câmara abandonou intenção de processar o Governo por causa das estradas

O presidente da Câmara de Felgueiras, Inácio Ribeiro (PSD) revelou hoje que a autarquia abandonou a intenção de processar o Governo, depois de o executivo socialista ter desbloqueado um novo acesso à maior zona industrial do concelho.

Em reunião de Câmara, o autarca social-democrata recordou que a variante à EN207, como é conhecido o acesso à Zona Industrial (ZI) de Cabeça de Porca, era reclamada há mais de duas décadas e que agora foi incluída no Programa de Valorização das Áreas Empresariais, anunciado recentemente pelo Governo.

Acrescentou o autarca que aquela obra era uma das três que a Câmara tem reclamado dos sucessivos Governos, mais recentemente com a ameaça de recurso à justiça.

A Câmara de Felgueiras anunciou em 2016, através de um dos seus vereadores, que poria o Governo em tribunal se não avançasse a construção das variantes à EN 207, à EN 101(ligação à Lixa) e do novo acesso a Revinhade, previstas nos protocolos de desclassificação daquelas estradas nacionais, assinados há cerca de duas décadas entre o Município e a autarquia.

variante à En 101

O presidente disse hoje  ter recebido abertura do secretário de Estado das Infraestruturas de que a pretensão do Município será tida em conta, apesar de, nesta fase só haver condições para se concretizar uma das três estradas reclamadas por Felgueiras.

A posição de Inácio Ribeiro ocorreu depois de ter sido interpelado pelo líder da oposição, o socialista Eduardo Bragança, que reclamou para os três vereadores do seu partido o mérito de terem intercedido junto do Governo para que o acesso à ZI de Cabeça de Porca fosse incluído no Programa de Valorização das Áreas Empresariais.

“O PSD de Felgueiras não tem qualquer voz junto dos sucessivos governos”, criticou Bragança.

Inácio Ribeiro refutou a posição socialista, recordando ter havido, já com o atual Governo, sucessivos contactos para a inclusão do novo acesso à ZI.

Assinalou depois que a escolha daquela obra, no conjunto das 12 em termos nacionais, decorreu de critérios objetivos impostos por Bruxelas, como a proximidade à autoestrada, o volume de faturação, o número de trabalhadores e o facto de haver um canal definido desde 2010.

Zona industrial Cabeça de Porca3

A nova ligação àquela ZI terá cinco quilómetros de extensão, ligando à rotunda de acesso à autoestrada A11, conhecida como “casa do diabo, e custará cerca de 8,5 milhões de euros.

Atualmente, laboram ali 40 empresas que empregam cerca de 2.300 trabalhadores e que têm um volume de negócios de 360 milhões de euros, destacando-se 144 milhões de euros em exportações.

APM // LIL

Lusa/fim