Câmara de Felgueiras entre as piores da região ao nível da transparência, conclui estudo nacional

A posição da Câmara de Felgueiras no ‘ranking’ da transparência em 2016, no conjunto dos 308 municípios portugueses, comparativamente com 2015, caiu 43 posições, situando-se agora no 154º lugar e também entre os lugares da cauda na região do Tâmega e Sousa.

Os resultados constam de um estudo realizado pela organização não governamental “Transparência e Integridade, Associação Cívica”.

TRansparência municípios imagem Felgueiras

Felgueiras consegue apenas 47,80 pontos no Índice de Transparência Municipal (ITM), numa escala de 0 a 100, mantendo o número de pontos registados no ano anterior. Na região, só ficaram atrás de Felgueiras os municípios de Castelo de Paiva (38,73) e Celorico de Basto (36,26).

 

Felgueiras perdeu 43 posições num ano!

Mas, observado o estudo, a tendência é mais negativa para Felgueiras do que para Castelo de Paiva e Celorico, porque aqueles dois concelhos denotaram uma melhoria significativa face a 2015.

Castelo de Paiva subiu 54 posições e Celorico 21 lugares no ranking e Felgueiras perdeu 43 posições. Na região, além de Felgueiras, só Marco de Canaveses perdeu lugares na tabela, apesar daquele concelho continuar a ter uma performance mais positiva, fixando-se no 82º lugar em termos nacionais.

Lousada e Paços de Ferreira são os concelhos da região mais bem classificados no ranking nacional, com ambos a obter u índice próximo dos 93%, ou seja, mais do dobro de Felgueiras.

TRansparência municípios imagem Felgueiras 3

Este estudo realiza-se desde 2013. Comparativamente com aquele ano, o Município perdeu 22 lugares.

Na análise realizada, avaliados os vários parâmetros relativos à informação que consta do site do Município de Felgueiras, constata-se que ao nível da “Contratação Pública” o resultado apurado é zero. Na “Organização”, o resultado foi 21, nos Planos e Relatórios a classificação obtida foi de 64 pontos, no Urbanismo foi de 71 e na Relação com a Sociedade apurou-se 50.

O único parâmetro com boa classificação foi o da à Informação Económico-financeira, com 92.

O Índice de Transparência Municipal (ITM) mede o grau de transparência das câmaras municipais através de uma análise da informação disponibilizada aos cidadãos nos seus web sites. O ITM é composto por 76 indicadores agrupados em sete dimensões: 1) Informação sobre a Organização, Composição Social e Funcionamento do Município; 2) Planos e Relatórios; 3) Impostos, Taxas, Tarifas, Preços e Regulamentos; 4) Relação com a Sociedade; 5) Contratação Pública; 6) Transparência Económico-Financeira; 7) Transparência na área do Urbanismo.

A TIAC é uma organização não governamental que tem como missão combater a corrupção. A TIAC é a representante em Portugal da rede global anticorrupção Transparency International.

 

Lousada e Paços de Ferreira lideram ‘ranking’ da transparência na região

Lousada foi em 2016 o município da região do Tâmega e Sousa mais transparente, de acordo com as conclusões do estudo realizado pela organização não governamental “Transparência e Integridade, Associação Cívica”, seguindo-se Paços de Ferreira, Mondim de Basto e Cinfães.

TRansparência municípios imagem2

Para uma pontuação máxima de 100 pontos (índice ITM), Lousada alcançou os 93,82 pontos, ocupando o 11º lugar, num conjunto de 308 municípios. Num ano, subiu 16 posições e 23,49 pontos.

Paços de Ferreira foi o segundo melhor concelho da região, de acordo com os critérios daquele estudo, alcançando os 92,58% e o 14º lugar em termos nacionais, o que representa uma melhoria de 33 lugares face a 2015 e uma melhoria de 30,22 pontos no índice de transparência.

 

Mondim e Cinfães no top 30 nacional

Mondim de Basto situa-se no terceiro lugar, com 84,34 pontos e o 28 lugar na tabela nacional, uma subida de seis posições face ao ano anterior.

Segue-se Cinfães, no 29º lugar, subindo 241 posições e 57,8 pontos no índice. Foi por isso o concelho que mais subiu na região e o terceiro maior salto no país.

 

Baião em Amarante melhoram

No quinto lugar do nosso território situou-se Baião, com 75,14 pontos, que ocupa a 48ª posição na tabela nacional, tendo subido 17 lugares.

Amarante é outro concelho bem classificado, no sexto lugar da região e no 66º do país, uma forte subida relativamente a 2015, de 136 lugares e 36,27 no índice de transparência.

 

Marco e Penafiel em queda mas ainda no top 100

Na tabela da região seguem-se Marco de Canaveses (82º), Penafiel (96º), Resende (132º), Paredes, (136º), Felgueiras (154º), Castelo de Paiva (222º) e Celorico de Basto (241º).

Felgueiras, Castelo de Paiva e Celorico de Basto são os três municípios da região que apresentam índices de transparência inferiores a 50 pontos, ou seja, uma nota negativa.

Felgueiras consegue apenas 47,80 pontos. Pior só Castelo de Paiva (38,73) e Celorico de Basto (36,26).

 

Castelo de Paiva e Celorico de Basto melhoram posições

Apesar destes resultados, Castelo de Paiva melhorou 54 posições 13,6 ponto no índice face a 2015. Celorico também subiu na tabela nacional 21 lugares e ganhou 8,38 pontos no índice.

Marco de Canaveses perdeu 53 posições e 4,4 pontos no índice. Penafiel também caiu na tabela 25 lugares, apesar de ter melhorado o seu índice em 4,67 pontos, atingindo os 60,99. Paredes subiu sete lugares.

O estudo pode ser consultado aqui: http://poderlocal.transparencia.pt/ranking-global