Câmara Municipal empenhada na requalificação das habitações sociais do concelho

O presidente da Câmara de Felgueiras, Nuno Fonseca, manifestou intenção de colaborar com o Governo na requalificação de habitações sociais do concelho que não são intervencionadas há cerca de 40 anos.

As habitações sociais concelhias do Bairro João Paulo II são propriedade do Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU) e não dependem da gestão autárquica.

A intenção do autarca foi manifestada após uma série de reuniões que decorreram com o IHRU e que culminaram com uma reunião com a secretária de Estado da Habitação, Ana Pinho, e na qual o presidente da Câmara revelou preocupação com as constantes queixas apresentadas pelos munícipes que residem nas habitações sociais pertencentes ao IHRU.

“O facto é que, pela proximidade geográfica, os munícipes procuram mais depressa a Câmara Municipal para apresentarem as suas queixas do que propriamente o IHRU. Todas as semanas somos confrontados com as necessidades e não podemos intervir, uma vez que os imóveis não são nossos”, referiu o presidente da Câmara, citado em comunicado.

Perante o cenário, a autarquia demonstrou disponibilidade para colaborar numa solução conjunta que permita mitigar os problemas detetados.

“Queremos que as pessoas habitem em condições dignas e cabe-nos pressionar a estrutura central para uma resolução rápida dos problemas destas famílias. Estamos disponíveis para colaborar”, disse.

Confrontado com as fracas condições habitacionais dos empreendimentos, Nuno Fonseca garante perceber a indignação dos moradores.

“A situação não pode continuar no mesmo marasmo. As obras têm que avançar rapidamente e, por isso, temos pressionado para uma solução. A autarquia fará tudo o que estiver ao seu alcance para garantir que as obras comecem ainda este ano”, rematou.

Solidário com as manifestações dos arrendatários e com a autarquia, o IHRU confirmou que irá avançar com as obras previstas ainda durante o ano de 2019.

A solução a adotar deverá passar por uma estratégia concertada entre o IHRU, a Câmara Municipal e os proprietários que residem nos edifícios a intervencionar.