Está em
Início > Destaque > Coligação Novo Rumo apresentou candidatos aos órgãos autárquicos

Coligação Novo Rumo apresentou candidatos aos órgãos autárquicos

A coligação Novo Rumo, que integra o CDS-PP e o Nós Cidadãos, apresentou na noite desta sexta-feira, na Casa das Artes de Felgueiras, os candidatos aos órgãos autárquicos nas próximas eleições de 1 de outubro.

O independente Rui Miranda, candidato à Câmara de Felgueiras, afirmou que esta é uma candidatura “plural, livre e transversal”, que visa “lutar contra a estagnação que se vive no nosso concelho ao longo dos últimos anos”.

“Felgueiras parou no tempo e os felgueirenses já compreenderam isso muito bem e querem a mudança, querem um novo rumo”, sublinhou o candidato.

Rui MIranda Novo Rumo

Segundo o jurista, há uma “onda de crescimento” nesta coligação, que “não para de crescer”, sustentando ser disso exemplo “a congregação de todas as figuras que compõem este projeto serem dos mais variados quadrantes políticos, onde cabem tanto homens e mulheres, e transversal a todas as faixas etárias”.

“Aceitei este desafio porque senti a confiança de muitas figuras de relevo da política concelhia, afetos a vários partidos e muitos independentes que, tal como eu, se reveem nesta coligação, mas acima de tudo nas ideias, nas propostas e soluções que defendemos para o concelho”, declarou.

Dizendo ambicionar que “Felgueiras volte a ter uma identidade forte, que seja um concelho de referência na região e no país”, o candidato avançou com cinco dos dez pilares que considera serem “fundamentais e estruturantes” para o concelho: a reforma dos serviços municipais e municipalizados, a revisão do Plano Diretor Municipal (PDM), a ação social, a promoção do concelho e inovação, e o desporto e juventude.

Rui Miranda definiu a revisão do PDM, “o ponto alto da discussão e da discórdia do nosso concelho”, como prioritária: “O PDM é um instrumento de planeamento crucial para o nosso concelho, que continua sem ser revisto durante oito anos, o que demonstra claramente o falhanço deste executivo”, acusou.

O candidato prometeu “mais dinamismo, ação e energia”, com o propósito de “servir a causa pública, Felgueiras e os felgueirenses”, contando para isso com a social-democrata Graça Meireles como número dois da coligação.

 

“Estamos aqui para repor aquilo que queríamos há oito anos nas eleições autárquicas”, diz Álvaro Castelo Branco

 O presidente da distrital do Porto do CDS-PP, Álvaro Castelo Branco, sublinhou no seu discurso que o partido tem “um enorme orgulho em fazer parte desta coligação”, que não é de “interesse político”, mas “entre pessoas de Felgueiras que quiseram dizer ‘estamos cá para mudar’”.

“Ter esta sala cheia significa que o Novo Rumo não só é um novo rumo como está no rumo certo”, destacou.

Lembrando que há oito anos “muitos dos que aqui estão e são candidatos apoiaram a candidatura de Inácio Ribeiro à Câmara Municipal de Felgueiras”, Álvaro Castelo Branco afirmou: “nós não mudamos, estamos exatamente iguais, quem mudou foi ele, que transformou um cargo de responsabilidade e oportunidade num cargo de arrogância e vaidade”.

 

Carla Carvalho é a candidata à assembleia municipal

 Carla Carvalho, presidente da concelhia do CDS-PP, é a candidata à assembleia municipal, com o objetivo de “retomar o rumo e o caminho do desenvolvimento de Felgueiras”.

Carla Carvalho Novo Rumo

A candidata anunciou as quatro ideias base para a assembleia municipal, que diz traduzirem-se em quatro verbos: aproximar, descentralizar, dignificar e modernizar.

Carla Carvalho lembrou que a assembleia municipal é um órgão deliberativo e fiscalizador do executivo da câmara e que “não podemos ter uma assembleia municipal amorfa, onde não existe discussão clara e transparente sobre a ação do executivo”.

“Teremos que, após 1 de outubro, pedir explicações sobre a quantidade absurda de ajustes diretos desde 2017. Lá estarei para perguntar ao executivo dissidente o que é fez com as nossas verbas”, assegurou.

A candidata defendeu que Felgueiras precisa de erguer a bandeira da “democracia local”, de “ser exemplar para mostrar a sua indignação com soluções passadistas, amorfas, taciturnas, quase próximas da indigência”.

“É, por isso, com uma visão progressista, participativa, inconformada, criativa, mobilizando todas as competências e capacidades que precisamos de um Novo Rumo para Felgueiras”, rematou.

Na apresentação estiveram também o secretário geral adjunto do CDS-PP, Manuel Gonçalves, o mandatário da campanha, Fernando Leal, e o mandatário da juventude, André Rodrigues.

 

Novo Rumo quer “acabar com a maioria com tiques ditatoriais”, diz Eduardo Teixeira

 O diretor de campanha, Eduardo Teixeira, afirmou que a coligação Novo Rumo quer “acabar com a maioria com tiques ditatoriais, uma maioria de quem pensa que sabe tudo, de quem pensa que é a estrela do universo”.

Eduardo Teixeira Novo Rumo

Num discurso crítico ao atual presidente da Câmara e candidato pela coligação Manter a Esperança (PSD/PPM), Inácio Ribeiro, Eduardo Teixeira garantiu que o Novo Rumo não se vai “deixar intimidar por aquilo que é uma campanha que anda no terreno a tentar silenciar as pessoas”.

“Há uma estratégia bem definida para silenciar as pessoas. Aqui ninguém tem medo, aqui sabe-se resistir”, disse.

Respondendo a Inácio Ribeiro, que na sessão de apresentação da sua candidatura criticou os “arautos da desgraça”, “preguiçosos”, “demagogos” e “incomodados” que não reconhecem o trabalho realizado pela gestão municipal nos dois mandatos liderados pelo PSD, Eduardo Teixeira afirmou:

“Nós não somos os arautos da desgraça, quanto muito seremos os arautos da sua desgraça, porque nós somos os mensageiros com a força e a coragem de denunciar aquilo que é a frouxidão política de quem nos lidera, a fraqueza das políticas que segue e outras que não consegue sequer implantar, mas acima de tudo o grande fracasso que é o mandato de 2013 a 2017”.

O diretor de campanha exortou os felgueirenses a escolherem “se querem mais do mesmo, uma câmara amorfa, inerte, sem vontade de resolver os problemas, com o PDM encravado, com os serviços municipais caóticos”, ou se querem “uma esperança, uma forma diferente de estar na política”.

“Cada dia que passa somos mais e estou convicto que daqui até 1 de outubro esta onda crescerá muito e teremos um excelente resultado”, anteviu, garantindo que nos felgueirenses existe “um sentimento enorme de vontade de mudança, e acima de tudo uma grande vontade de retirar a maioria absoluta e mudar o xadrez político do nosso concelho”.

Natacha Cunha

Top