Cooperativa de Felgueiras já exporta para Espanha 90% da sua produção de quivi

A Cooperativa Agrícola de Felgueiras exportou para Espanha cerca de 90% da sua produção de quivi em 2018, o que correspondeu a uma faturação de 675 mil euros, disse hoje à Lusa fonte da direção.

Aquele montante representou, também, um crescimento de 15% face às vendas registadas em 2017.

Rui Madeira Pinto, diretor da instituição, assinalou que a faturação global de quivi, no ano passado, atingiu os 750 mil euros. O mercado nacional, frisou, representa apenas 10% das vendas.

O crescimento do volume da faturação em 2018 consolidou a tendência dos anos anteriores, prevendo ainda a instituição que, no futuro próximo, a evolução se mantenha “muito positiva”.

“A procura é cada vez maior, sobretudo do mercado espanhol”, indicou, referindo que aquele país é o segundo maior consumidor mundial do fruto.

“O nosso fruto é muito apreciado lá, porque tem uma ótima relação entre o preço e a qualidade”, comentou.

Para fazer face à exigência do mercado, o concelho de Felgueiras tem aumentado o número de produtores daquele fruto, atingindo já os cerca 120 que confiam o seu fruto àquela cooperativa agrícola, reforçando, segundo o diretor, a posição de concelho líder em termos nacionais na produção de quivi.

A instituição recebe ainda a produção de outros concelhos.

Para fazer ao previsível crescimento de produção, a instituição vai avançar para um investimento que vai permitir montar novas arcas frigoríficas com capacidade para 800 toneladas.

Ao mesmo tempo, serão abatidas algumas das mais antigas que ainda se encontram em funcionamento nas instalações.

Rui Madeira Pinto estima, por outro lado, que dentro de três anos o concelho atinja as 1.600 toneladas de produção, face às atuais 1.000 toneladas.

Apesar do sucesso do quivi, as vendas daquele fruto representam menos de 10% da faturação global da Cooperativa Agrícola de Felgueiras, uma das maiores do país.

O vinho verde continua a ser o negócio com mais expressão atingido em 2018 os quatro milhões de euros de faturação, continuando a crescer ano após ano, sobretudo graças às exportações.

As vendas de espargo também se têm evidenciado nos últimos anos, atingindo em 2018 cerca de 100 mil euros, duplicando a faturação de 2017.

APM // MSP

Lusa/fim