Empresa de Fafe suspeita de poluir rio Vizela ligou-se à rede de saneamento (C/ÁUDIO)

 

A empresa de estamparia suspeita de várias descargas poluentes para um afluente do rio Vizela, em Fafe, efetuou a ligação à rede pública de saneamento básico disse hoje à Lusa a vereadora do Ambiente.

Segundo Helena Lemos, a unidade fabril situada na zona de Santo Ovídio tem drenado, nos últimos dias, os seus efluentes industriais para um coletor que liga à rede das Águas do Norte.

“Do acompanhamento que temos dado ao assunto não tem havido qualquer problema”, comentou.

A autarca espera agora que esta situação, que tem ainda um “caráter provisório”, continue a ser acompanhada pelas entidades fiscalizadoras, “para que não haja aqui novos problemas”, recordando que a estamparia está obrigada a desativar a sua estação de tratamento de efluentes.

A atividade daquela unidade industrial, que era suspeita de poluir a ribeira de Calvelos, estava há vários meses a ser acompanhada pelas entidades competentes na área do ambiente.

Em julho passado foi sujeita a uma inspeção e as autoridades determinaram a obrigatoriedade de cessação das descargas poluentes para a linha de água e a ligação imediata à rede de saneamento.

A empresa interpôs uma providência cautelar que permitiu, segundo a vereadora, ganhar alguns dias. A estamparia retomou a atividade no início de setembro, incumprindo, de novo, na obrigação de se ligar à rede de saneamento.

No dia 5 de setembro, foi denunciada por uma associação ambientalista local nova descarga poluente e, no dia seguinte, elementos da Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território (IGAMAOT), com o apoio de militares do Serviço de Proteção da Natureza e Ambiente (SEPNA) deslocaram-se à empresa e detiveram um dos seus responsáveis por alegado crime de desobediência.

O detido ficou sujeito a termo de identidade e residência e o processo baixou a inquérito.

A empresa iniciou então contactos com a Águas do Norte para se ligar à rede pública de saneamento, o que se verificou nos últimos dias.

Helena Lemos disse à Lusa que aquele era o último foco de efluentes industriais, de forma contínua, no concelho, depois de no passado terem sido eliminadas outras situações.

 

APM.

Lusa/fim