Está em
Início > Economia > Fafe arranca com construção do nó de Arões e acredita que Europa vai comparticipar custos

Fafe arranca com construção do nó de Arões e acredita que Europa vai comparticipar custos

Fafe acredita que a construção do nó ligação à zona industrial de Arões, hoje iniciada apenas com recursos financeiros do município, possa ser comparticipada por fundos europeus, disse à Lusa o presidente da câmara Raul Cunha.

O autarca explicou que a reprogramação dos fundos do Portugal 2020, recentemente anunciada pelo Governo, “abre uma janela de oportunidade” à Câmara de Fafe, no sentido de concretizar um desejo que mantém desde o início do projeto do nó de Arões.

Dois milhões de euros de investimento

Raul Cunha refere que se trata de um investimento de dois milhões de euros, ao qual o município minhoto tem dado grande atenção, ao ponto de ter assumido, na íntegra, o seu financiamento, embora sempre com a expetativa de o poder integrar numa candidatura a fundos comunitários.

“É uma obra de pequena em dimensão, mas muito grande em impacto e importância”, comentou.

Obra vai estar pronta no verão de 2019

O presidente refere que a empreitada agora iniciada deverá estar pronta no verão de 2019 e constituirá um impulso importante para várias freguesias do concelho.

“Estamos a falar de um investimento a uma zona industrial que já existe que que ficará fortemente dinamizada com esse acesso”, observou, indicado haver vários projetos de investimento previstos para aquela zona industrial que aguardavam a construção do nó.

O futuro nó garantirá um acesso privilegiado das freguesias da zona poente do concelho (Golães, Arões – São Romão, Arões – Santa Cristina e Cepães) à atual via rápida que liga Guimarães a Fafe, uma reivindicação antiga da população e empresários locais.

Aquelas populações, acrescentou o edil, deixarão assim de ficar tão dependentes da EN206, uma via sinuosa e que apresenta sinais de degradação, que há muito não corresponde à dinâmica económica e social daquela zona do concelho.

Raul Cunha acentuou, por outro lado, que “todos aqueles terrenos ficam valorizados como uma zona interessante para as pessoas poderem viver”.

Top