Está em
Início > Economia > Fafe arranca com construção do nó de Arões e acredita que Europa vai comparticipar custos

Fafe arranca com construção do nó de Arões e acredita que Europa vai comparticipar custos

Fafe acredita que a construção do nó ligação à zona industrial de Arões, hoje iniciada apenas com recursos financeiros do município, possa ser comparticipada por fundos europeus, disse à Lusa o presidente da câmara Raul Cunha.

O autarca explicou que a reprogramação dos fundos do Portugal 2020, recentemente anunciada pelo Governo, “abre uma janela de oportunidade” à Câmara de Fafe, no sentido de concretizar um desejo que mantém desde o início do projeto do nó de Arões.

Dois milhões de euros de investimento

Raul Cunha refere que se trata de um investimento de dois milhões de euros, ao qual o município minhoto tem dado grande atenção, ao ponto de ter assumido, na íntegra, o seu financiamento, embora sempre com a expetativa de o poder integrar numa candidatura a fundos comunitários.

“É uma obra de pequena em dimensão, mas muito grande em impacto e importância”, comentou.

Obra vai estar pronta no verão de 2019

O presidente refere que a empreitada agora iniciada deverá estar pronta no verão de 2019 e constituirá um impulso importante para várias freguesias do concelho.

“Estamos a falar de um investimento a uma zona industrial que já existe que que ficará fortemente dinamizada com esse acesso”, observou, indicado haver vários projetos de investimento previstos para aquela zona industrial que aguardavam a construção do nó.

O futuro nó garantirá um acesso privilegiado das freguesias da zona poente do concelho (Golães, Arões – São Romão, Arões – Santa Cristina e Cepães) à atual via rápida que liga Guimarães a Fafe, uma reivindicação antiga da população e empresários locais.

Aquelas populações, acrescentou o edil, deixarão assim de ficar tão dependentes da EN206, uma via sinuosa e que apresenta sinais de degradação, que há muito não corresponde à dinâmica económica e social daquela zona do concelho.

Raul Cunha acentuou, por outro lado, que “todos aqueles terrenos ficam valorizados como uma zona interessante para as pessoas poderem viver”.

Top
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com