Fafe avança com equipa de mediadores para melhorar integração da comunidade cigana

O Município de Fafe constituiu uma equipa de mediadores municipais e interculturais para melhorar a integração da comunidade cigana no acesso à educação, sucesso escolar, empregabilidade e saúde, anunciou a autarquia.

O projeto “Trilhos Interculturais”, apresentado na quarta-feira, pretende ainda o aprofundamento do diálogo intercultural entre esta comunidade e a restante comunidade fafense.

O projeto terá como principal área de ação o Bairro da Cumieira, onde se pretende promover a integração da comunidade cigana residente no concelho, com base numa ação multidimensional e interinstitucional, assente em estratégias e ações promotoras da interculturalidade e na participação cívica, geradora de uma igualdade de oportunidades e coesão social no território.

Em parceria com a Sol do Ave, o Município de Fafe pretende, de acordo com Raul Cunha, presidente da Câmara Municipal de Fafe, “que sejam partilhadas experiências, opiniões com a comunidade cigana que, muitas vezes, é desvalorizada devido ao desconhecimento existente sobre as suas tradições”.

Citado em comunicado, o autarca lembrou que o Bairro da Cumieira é o espaço onde está localizada um maior número de pessoas da comunidade cigana.

 

Projeto de integração da comunidade cigana

 

“O Município está a realizar a recuperação deste espaço, um dos grandes projetos que estamos a desenvolver, sendo certo que pretendemos complementar a operação de reabilitação física do Bairro, com intervenções de caráter imaterial nomeadamente através da continuidade do ‘Projeto Ei! – Educação para a Inclusão’, um projeto implementado no Bairro da Cumieira junto de crianças e jovens, bem com o desenvolvimento deste novo projeto “Trilhos Interculturais”, dirigido à comunidade cigana”, disse

E acrescentou: “Todos estes projetos potenciam a integração social da população carenciada e o combate às suas principais vulnerabilidades, nomeadamente a pobreza e o desemprego”.

Ainda de acordo com o presidente da Câmara de Fafe, o objetivo é potenciar um trabalho com toda a comunidade, desenvolvendo as suas capacidades, trabalhando numa intervenção multidiscplinar.

“Estamos muito satisfeitos por vermos o nosso concelho entre os 12 portugueses que terá uma equipa tão importante como esta”, concluiu.

O projeto, anunciado em março, pelo gabinete da secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Rosa Monteiro, vai desenvolver ações em diversas áreas, desde a educação, saúde, cidadania e emprego, tem a duração de três anos e será financiado com 3,5 milhões de euros de verbas públicas.

A par de Fafe, 11 municípios portugueses dispõem também destas equipas de Mediação Intercultural.