Felgueiras triplica produção de espargos, mas insuficiente para a procura

A produção de espargos em Felgueiras triplicou em 2015 face a 2014, atingindo as 5.000 toneladas, mas é insuficiente para satisfazer a procura, avançou hoje à Lusa fonte da Cooperativa Agrícola de Felgueiras
“A procura do produto por parte dos canais nacionais e estrangeiros é muita, mas não temos produção suficiente”, exclamou Rui Madeira, diretor da instituição.
Apesar disso, a cultura de espargos, anotou, representou no ano passado um volume de negócios de cerca de 50.000 euros para a instituição.
O concelho já está, acrescentou, entre os principais produtores portugueses daquele alimento.
Os espargos são pouco calóricos e ricos em vitaminas e minerais, o que justifica a procura crescente, nomeadamente nos meios urbanos.
O responsável assinalou que cerca de duas dezenas de produtores, a maioria jovens, se dedicam, em Felgueiras, àquele tipo de cultura, com uma área que já ultrapassa os 12 hectares.
Na maioria dos casos, os espargos complementam outras atividades agrícolas importantes no concelho, como a vinha e o quivi, mas também as batatas e o milho.
A restauração, assinalou, tem vindo a procurar cada vez mais aquele produto.
Espanha e a zona do Porto encontram-se entre os principais destinos do legume produzido no concelho e que apresenta uma boa taxa de rentabilidade.
“É uma cultura para avançar, que está consolidada na região”, comentou.
A campanha de 2016 termina no final de junho, mas a cooperativa já está a preparar um conjunto de ações para fazer face ao expectável crescimento da produção de espargos.
Rui Madeira adiantou que estão previstos investimentos numa pequena câmara de frio, na melhoria da preparação do corte e numa maior rapidez de preparação do produto final.
A instituição de Felgueiras é, no setor cooperativo, a maior produtora e exportadora nacional de vinho verde e kiwis.

Armindo Mendes/Lusa
C/Sandra Teixeira