Felgueirenses vão pagar menos IMI em 2020 e ainda menos em 2021 (C/ÁUDIO)

Os felgueirenses vão pagar menos IMI (imposto Municipal sobre Imóveis) no próximo ano, depois de a câmara ter aprovado, em reunião do executivo, a redução da taxa, uma medida que o presidente Nuno Fonseca considera o “cumprir de uma promessa eleitoral”, que “vai ajudar muitas famílias”.

Em 2021, a redução vai ser ainda maior, como garantiu o presidente Nuno Fonseca.

 

“Acima de tudo, este Orçamento reflete aquilo que têm sido as políticas que nós definimos no início do nosso mandato e que estão expressas no nosso manifesto. Assumimos que iríamos reduzir o IMI [prédios urbanos] de forma progressiva até ao final do nosso mandato. É isso que estamos hoje aqui a concretizar e, nesse sentido, entendemos que é uma mais-valia para todas as famílias, para todos os felgueirenses”, comentou o autarca, em declarações ao Expresso de Felgueiras.

Nuno Fonseca acrescentou que com esta medida, as pessoas vão percebendo que, de forma consciente e capaz”, o atual executivo tem “conseguido implementar as medidas, não faltando com os compromissos do município e não pondo em causa a sustentabilidade”.

 

“FOI ESSE O COMPROMISSO QUE ASSUMIMOS E IREMOS CERTAMENTE CUMPRI-LO ATÉ AO FINAL DO NOSSO MANDATO”

 

A taxa aprovada para 2020 (0,31), apesar de diminuir em relação a 2019, ainda não é a mais baixa permitida por lei (0,30), mas Nuno Fonseca assinala que em 2021, ´último ano do atual mandato autárquico, o IMI atingirá o valor mais baixo.

“Assumi já isso em reunião de câmara e, certamente, no próximo orçamento municipal [2021], será refletido e o IMI irá para a taxa mínima, porque foi esse o compromisso que assumimos e iremos certamente cumpri-lo até ao final do nosso mandato”, explicou o chefe do executivo.

Apesar da redução dessa taxa, ressalvou Nuno Fonseca, prevê-se que a arrecadação de receita daquele imposto em 2020 seja superior à verificada este ano, devido à aceleração no número de licenciamentos por parte do município e ao dinamismo económico que se observa no concelho.

De acordo com o orçamento, estima-se que a autarquia arrecade, no âmbito do IMI, em 2020 cerca de 4,1 milhões de euros.

Os quatro vereadores do PSD, que são oposição no executivo, abstiveram-se na fixação da taxa de IMI a cobrar em 2020, alegando que, face ao previsível aumento das receitas fiscais municipais, previsto para o próximo ano, que estimaram ser de 500 mil euros, haveria margem para que a taxa passasse já para a taxa mínima.