Lousada e Paredes querem classificar o rio Sousa como Rede Natura 2000

Os presidentes das câmaras de Paredes e Lousada defenderam hoje, em Penafiel, a necessidade de trabalhar para alargar a Rede Natura 2000, que atualmente compreende o território vizinho das Serras do Porto, a todo o vale do rio Sousa.

Falando em Penafiel, onde hoje foi celebrado um protocolo de entendimento para a preservação daquele afluente do Douro, envolvendo quatro municípios, Pedro Machado e Alexandre Almeida, de Lousada e Paredes, respetivamente, lembraram que a integração do território atravessado pelo rio Sousa (cerca de 60 quilómetros de extensão) abrirá novas perspetivas de desenvolvimento, nomeadamente a possibilidade de se avançar com candidaturas que só podem ser aprovadas se tiverem origem em territórios classificados.

O encontro de hoje aconteceu junto ao moinho de Novelas, no concelho de Penafiel, junto ao rio, e serviu também para os quatro municípios assinalarem o Dia Internacional do Rios.

Pedro Machado rio Sousa em Penafiel

Na cerimónia, Pedro Machado, de Lousada, referiu que a sua autarquia já está a trabalhar para classificar o território (13% do concelho) atravessado pelo Sousa e que o relatório técnico deverá, em breve, ser apreciado pelos órgãos municipais, devendo depois seguir para o Instituto de Conservação da Natureza.

O autarca referiu, contudo, que o trabalho em curso não é suficiente para incluir o concelho na Rede Natura, por ser demasiado pequeno, o que aconselha, assinalou, que outros concelhos vizinhos atravessados pelo rio Sousa possam adotar a mesma estratégia de classificação ambiental.

Voltando-se para os demais presidentes presentes na cerimónia, assinalou que, se tal for feito, poder-se-ia criar uma continuidade territorial com o Parque das Serras do Porto, já classificado, estendendo a Rede Natura, de Valongo até Felgueiras, atravessando Paredes, Penafiel e Lousada, ao longo do rio Sousa.

Alexandre Almeida, autarca de Paredes, cujo município integra o Parque das Serras do Porto, conjuntamente com Valongo e Gondomar, corroborou o presidente de Lousada, frisando que só o trabalho em conjunto e concertado entre as várias câmaras dará os resultados que todos desejam. Recordou, a propósito, que o Sul do seu concelho, que é atravessado pelo Sousa, tem um grande potencial turístico que podia ser impulsionado se o território fosse clarificado.

Felgueiras e Penafiel também sublinharam a importância de os municípios trabalharem de forma articulada para preservar o rio Sousa.

Antonino Sousa, de Penafiel, disse ter “chegado a hora” de as quatro câmaras “arregaçar as mangas com medidas concretas para contrariar a degradação do rio que une o território há milhões de anos”.

Nuno Fonseca rio Sousa em Penafiel

Nuno Fonseca, de Felgueiras, lembrou os laços afetivos que o unem ao rio, por ter vivido perto da sua nascente, e destacou a importância simbólica do memorando celebrado hoje entre os quatro municípios.

“Devemos pôr mão à obra”, frisou, prometendo empenhar-se em conjunto com os demais presidentes signatários.