Está em
Início > Destaque > Novo comandante dos Bombeiros da Lixa quer manter “bom nome” da corporação

Novo comandante dos Bombeiros da Lixa quer manter “bom nome” da corporação

O novo comandante dos Bombeiros Voluntários da Lixa, Vítor Hugo Meireles, disse ao EXPRESSO DE FELGUEIRAS que vai ser “um comandante dedicado e empenhado em progredir e manter o bom nome da corporação”.

“Podem esperar de mim aquilo que sempre dei. Dar o melhor pelo corpo de bombeiros. Manter o grau de exigência a nível máximo, para manter o bom nome dos Bombeiros da Lixa”, vincou.

Vítor Hugo, de 35 anos, ingressou nos bombeiros há 17 anos. Inicialmente como voluntário e inspirado pelo pai e pela irmã, que também eram bombeiros, o agora comandante admite que dar continuidade ao trabalho deixado pelo antigo comandante José Campos “vai ser um desafio”.

“O comandante Campos é uma figura emblemática nos bombeiros não só da Lixa, mas a nível nacional. Representou de forma muito positiva os bombeiros e deixou-me uma responsabilidade positiva”, considerou, acrescentando:

“O corpo dos bombeiros da Lixa está bem alicerçado e implementado, fruto do trabalho do comandante Campos, mas penso que tenho condições para levar o barco a bom porto. Não queria cair na rotina e deixar ficar pelo o que o antigo comandante fez. É difícil, mas se não estabelecermos objetivo ficámos estagnados e eu quero progredir”.

Após integrar a corporação da Lixa como voluntário, Vítor Hugo teve a possibilidade de ingressar como assalariado e iniciar um percurso profissional.

Frequentou formações, progrediu na carreira e tornou-se formador da Escola Nacional de Bombeiros.

O convite para ingressar o comando dos Bombeiros da Lixa surgiu há quatro anos, pelas mãos de José Campos, à data comandante daquela corporação.

Esteve como adjunto do comando, com mais de 120 operacionais no quadro ativo.

Comandante BV Lixa 2

 

“Voluntariado está a morrer”

O comandante dos Bombeiros da Lixa manifestou-se preocupado com a falta de operacionais, em regime de voluntariado, nas corporações.

“Hoje em dia o espírito de voluntariado não é o que existia e está a morrer, as pessoas têm sempre muitas coisas para fazer”, observou.

Atualmente, está a decorrer uma escola nos Bombeiros da Lixa com mais de 30 elementos. A formação de um ano vai a meio, mas o comandante teme que ocorram desistências.

“Dos 30 que andam na escola, que vai a meio, desistem sempre alguns. O primeiro ano de formação é o mais difícil, com muitas horas de formação”, afirmou.

 

Corporação preparada para época de incêndios

 

Vítor Hugo Meireles adiantou ao EXPRESSO DE FELGUEIRAS que a corporação está preparada para a época de incêndios, que arranca a 15 de maio.

À Autoridade Nacional de Proteção Civil, o comandante solicitou duas de Equipas de Combate a Incêndios (ECIN) e um Equipa Logística de Apoio ao Combate (ELAC).

“Temos disponibilidade de operacionais para formar as equipas, na época mais crítica, designada de Charlie”, revelou, reconhecendo que existem áreas florestais mais críticas que a da Lixa, mas nem todos os corpos de bombeiros têm capacidade para ter o número de bombeiros disponíveis.

Apesar da área florestal não ser das maiores, o comandante Vítor Hugo lembrou a preocupação que a corporação tem com o Monte do Seixoso, no qual fazem intervém durante todo o ano.

Top