Obras da construção do novo campo da UD Torrados já arrancaram

Os trabalhos de construção do novo campo de futebol da União Desportiva de Torrados arrancaram no dia 01 de março e devem ficar concluídos “em janeiro ou fevereiro do próximo ano”.

Essa é a convicção do presidente do emblema felgueirense, Mário Silva, que assiste com agrado à concretização de uma aspiração antiga.

O anterior equipamento desportivo foi, há cerca de dez anos, prejudicado com a construção do Centro Escolar da freguesia, que, na prática, levou ao seu desmantelamento e que conduziu a um processo judicial contra a Câmara Municipal de Felgueiras movido pelo clube.

O processo arrastou-se durante anos e o tribunal deu razão à agremiação desportiva, que deveria receber da autarquia uma indeminização “na ordem dos 120 a 130 mil euros”, explica Mário Silva.

No entanto, as partes chegaram a um entendimento. A edilidade comprou terrenos, fará a terraplanagem e a construção do equipamento desportivo. Por seu lado, o clube abdica da compensação a que teria direito.

“O acordo acabou por ser facilitado pela própria Câmara. A indemnização não dava para fazer nada, porque não havia terrenos”, refere Mário Silva, adiantando ainda que o campo “passará a ser Municipal, utlizado exclusivamente pelo Torrados”

O presidente do município felgueirense, Inácio Ribeiro, mostra-se também muito satisfeito com os resultados do acordo entre a autarquia e o clube.

“Refira-se que foi uma questão que herdei no meu primeiro mandato, em 2009. Entendi deixar correr os trâmites desse processo e, com a naturalidade própria de quem vive num Estado de Direito, a autarquia acatou a decisão do tribunal. Por conseguinte, nós, Câmara, entendemos que seria bom dar a mão ao clube, procurar um entendimento, até para se evitar constrangimentos. Ganha Torrados, ganha Felgueiras e a prática desportiva no concelho”, afirma.

A primeira fase dos trabalhos – terraplanagem do local da construção do campo – já arrancou e, segundo o presidente do Torrados, “deverá demorar três meses e terminar em finais de maio”.

Obras no campo do Torrados 2

O recinto de jogo terá as dimensões de 100 metros x 62 metros com afastamento dos seus limites às vedações de quatro metros no topo e três metros nas laterais.

Além de outras componentes indispensáveis, será colocada iluminação: quatro torres de 35 metros de altura e colocação de balizas. Será construído um edifício com balneários, vestiários para jogadores e para a arbitragem e estruturas de apoio.

Posteriormente, serão feitos lugares de estacionamento para automóveis ligeiros e para dois autocarros, bem como lugares para viaturas de cidadãos com mobilidade reduzida. Haverá espaços para os carros dos árbitros no interior do recinto.

As obras devem ficar concluídas nos primeiros meses de 2018, já depois do arranque da nova época. Até lá, a equipa do Torrados continuará a competir em Regilde.

A construção do novo complexo desportivo não contempla a implantação de um relvado sintético o que, na opinião, de Mário Silva “será um erro”. No entanto, o dirigente compreende a decisão, porque no concelho de Felgueiras “há outros clubes que estão à espera há muito mais tempo”.

“Para já, o queremos é ter campo próprio até para podermos apostar formação, como já fizemos no passado. Começar com formação antes de ter o complexo desportivo terminado é um risco enorme”, considera.

Atualmente, a formação sénior do emblema felgueirense está na liderança da série 3 da 2ª Divisão da Associação de Futebol do Porto (AFP), tendo praticamente garantida a presença no play-off de promoção, onde discutirá o acesso à 1ª Divisão AFP.

“O objetivo era fazer melhor do que na época passada. Neste momento, esse objetivo está cumprido e estamos na segunda fase quase de certeza absoluta. Obviamente, vamos lutar para tentar subir e fazer qualquer coisa de bonito, mas se não subirmos, paciência. Agora, estrearmos o novo campo na 1ª Divisão era a cereja em cima do bolo”, finalizou.

 

Luís Miguel Nogueira