Presidente da Câmara de Lousada pede reforço do efetivo da GNR ao Comando Distrital (C/ÁUDIO)

FOTO: OCTÁVIO PASSOS

O presidente da Câmara de Lousada, Pedro Machado, pediu hoje ao Comando Territorial do Porto da GNR o reforço do efetivo no concelho, onde só estão colocados 25 militares.

O autarca defendeu que a dinâmica económica do concelho, o aumento da população (quase 50.000 habitantes), a ligação aos principais eixos rodoviários e à Área Metropolitana do Porto “levantam novos desafios para os quais as autoridades têm de estar atentas e fazer face”.

FOTO: OCTÁVIO PASSOS
FOTO: OCTÁVIO PASSOS

Pedro Machado discursava perante o comandante do Comando de Administração dos Recursos Internos da GNR, major-general Baía Afonso, o comandante distrital da GNR, coronel Vitor Mesquita Fernandes, e centenas de militares do distrito, nas cerimónias do oitavo aniversário do Comando Territorial do Porto que hoje se realizaram em Lousada.

No final da sessão, o presidente da Câmara disse à Lusa que, enquanto representante da comunidade, tem sensibilizado a hierarquia da GNR para a situação, apesar de, sublinhou, a criminalidade em Lousada ser inferior à registada noutros concelhos da região.

Para o autarca, justificava-se que o município de Lousada tivesse um segundo posto territorial, para além do que existe na sede do concelho, como acontece com os municípios vizinhos.

Apesar desse desejo, que disse ser antigo, Pedro Machado admitiu que se trata de algo difícil de alcançar no atual quadro económico-financeiro do país.

“Só depois de cumprida a pretensão do reforço dos efetivos da GNR, fará sentido falar numa descentralização e num segundo posto numa outra área urbana do concelho”, precisou.

O autarca lembrou, a propósito, que “a falta de efetivos é uma realidade transversal a todos os postos territoriais e a todos os comandos distritais”.

O presidente do executivo manifestou também, junto do Comando Distrital da GNR, disponibilidade da autarquia para que em 2018 seja assinalado o centenário da presença daquela força policial no concelho.

 

APM // ARA

Lusa/Fim