Está em
Início > Destaque > PSD de Felgueiras acusa atual executivo de “falta de humildade e seriedade”

PSD de Felgueiras acusa atual executivo de “falta de humildade e seriedade”

O PSD de Felgueiras acusou hoje o atual executivo municipal de “falta de humildade e seriedade” quando reivindica para si projetos iniciados e elaborados pelo anterior executivo, de maioria social democrata.

Em conferência de imprensa, ocorrida hoje na sede do partido, os sociais democratas fizeram um balanço de um ano de governação da coligação “Sim, Acredita”, que reúne o apoio do PS e do Livre.

 

PSD de Felgueiras em conferência 2

 

Alírio Costa, presidente do PSD de Felgueiras referiu que o novo executivo “não reconhece o trabalho dos antecessores, nem ao nível da gestão financeira, dos fundos do Portugal 2020, das obras da regeneração urbana, entre outros”.

O líder dos sociais democratas acusa ainda a câmara, liderada por Nuno Fonseca, de “ganhar à gestão PSD em termos de propaganda e folclore”.

“Aí esta câmara já fez mais”, disse.

Aos jornalistas, Alírio Costa deu conta de alguns processos que considera “preocupantes”, nomeadamente as assessorias, contratos e ajustes diretos feitos num ano, “que já movimentaram perto de 10 milhões de euros”.

“Do ponto de vista ético e político, há um conflito de interesses que para nós é preocupante”, revelou, acrescentando que “existem gabinetes estruturados na autarquia e por isso”, prosseguiu, “vamos estar atentos e a acompanhar a situação”.

 

Executivo PSD liderado por Inácio Ribeiro reduziu passivo bancário em quase 65%

Alírio Costa abordou ainda as contas da autarquia, que o atual executivo acusava, quando tomou posse, “de não ter dinheiro”.

O dirigente do PSD lembrou o saldo positivo das contas da autarquia e a redução de quase 65%, em oito anos, do passivo bancário e do pagamento a fornecedores, que se fixou, no último trimestre de 2017, a nove dias.

“Se não há dinheiro como é possível haver tanto folclore e contratação de serviços”, questionou.

Entre as preocupações apresentadas pelos PSD, o envelope financeiro contratualizado para fundos comunitários pelo anterior executivo foi abordado pelo presidente da concelhia, que lembrou “a importante” ligação da variante a Cabeça da Porca.

“Foi uma obra assinalada pelo anterior executivo, mas que agora tem de ser arquitetada para se poder ir buscar os devidos fundos, que rondam os 8,5 milhões de euros”, lembrou Alírio Costa.

E acrescentou: “É preciso garantir que a obra vai ser executada e até agora nada está garantido”.

Alírio Costa demonstrou também preocupação com a regeneração urbana, com o parque da cidade e a ampliação do cemitério de felgueiras.

“Obras projetadas pelo anterior executivo que devem ser executadas”, defendeu.

A resumir a sua intervenção, o presidente da concelhia do PSD, considerou o primeiro ano de mandato como “um ano muito rico, não pelas razões que gostaria”.

“Gostaríamos de ver o atual executivo a reconhecer o legado deixado pelo PSD, reconhecer esse trabalho e a colocar em cima da mesa o que está previsto para o futuro”.

 

“Copo meio cheio, copo meio vazio”, acusa João Sousa

Representando os vereadores do PSD na Câmara de Felgueiras, João Sousa diz que vê o atual executivo como um “copo meio cheio, copo meio vazio”.

“O atual executivo funciona autoritariamente e com arrogância. Não gosta de prestar contas, não suporta críticas, não gosta de prestar esclarecimentos e de ser contrariado”, acusou, dizendo: “tem duas caras, populismo na rua e donos disto tudo nos paços do concelho”.

 

PSD de Felgueiras em conferência 3 - TS 1

 

 

Nas reuniões de câmara, João Sousa diz que o executivo do “Sim Acredita” “não promove um convívio saudável”.

“Já tentamos que fosse de outra forma para promover discutir assuntos de interesse para o concelho”.

João Sousa, que foi vice-presidente do executivo anterior, diz que o partido tem dado o contributo necessário nas reuniões e até já fez propostas, mas entram a 100 e saem a 200”.

 

“Juventude sem políticas”

Maria Castro, presidente da JSD de Felgueiras, considerou que “não houve, até hoje, abertura para as políticas da juventude”.

A dirigente lamentou a “falta do orçamento participativo” que “envolve a juventude na vida política”.

“O atual executivo tem de trabalhar muito na área da juventude”, defendeu.

 

 

PSD de Felgueiras em conferência 3 - TS 85

 

“PSD é a única oposição na Assembleia Municipal”

O líder do grupo municipal do PSD na Assembleia Municipal de Felgueiras, Rui Oliveira, disse hoje, na conferência de imprensa, que a “única oposição naquele órgão é o PSD”.

“Ainda estamos em dúvida em relação à posição do CDS e do PS na assembleia municipal”, referiu.

Rui Oliveira disse que, durante este ano, foram detetadas “algumas fragilidades”, tendo “detetado alguma falta de experiência e de respeito pelo anterior executivo”.

“Reclamam obras que não são deles e têm incapacidade de dizer que projetos têm para o concelho”, vincou.

Os contratos e ajustes diretos são também matérias de “alerta” para os membros do PSD na assembleia municipal.

Rui Oliveira exemplificou o contrato com uma empresa de comunicação, no valor de 24 mil euros.

“Pergunto-me se não é mesma que fez a campanha do Sim Acredita”, questionou.

Lembrados foram também dois eventos que o atual executivo optou por não realizar, a Gala Descalço e o concurso Pinta.

No final da conferência, a questão que os sociais democratas deixaram foi “o que é que este executivo quer para Felgueiras?”.

Top