Tâmega e Sousa tem 25% dos eleitores, mas só elegeu 3 dos 39 deputados do Porto

Os três que asseguraram assento em S. Bento são os sociais-democratas Simão Ribeiro, de Lousada, e Luís Vales, de Marco de Canaveses, e o socialista de Baião, José Luís Carneiro, atual líder da Federação do Porto do PS

Imagem de arquivo com os deputados do PSD, na anterior legislatura, Mário Magalhães (Penafiel), Nuno Sá Costa (Baião), Simão Ribeiro (Lousada)e Luís Vales (Marco de Canaveses)

Dos 39 deputados eleitos nas Eleições Legislativas de domingo no distrito do Porto, só três são do Tâmega e Sousa, apesar de esta região representar cerca de 25% dos cidadãos eleitores.

Os três que asseguraram assento em S. Bento são os sociais-democratas Simão Ribeiro, de Lousada, e Luís Vales, de Marco de Canaveses, e o socialista de Baião, José Luís Carneiro, atual líder da Federação do Porto do PS.

José Luís Carneiro | FOTO: Armindo Mendes
José Luís Carneiro | FOTO: Armindo Mendes

Se, como era suposto acontecer, a percentagem do número de eleitores fosse proporcional ao número de deputados, o Tâmega e Sousa deveria ter conseguido eleger pelo menos nove representantes na Assembleia da República.

Outro dado substantivo: apesar de nos oito concelhos do Tâmega e Sousa que integram o distrito do Porto estarem registados 393.571 eleitores, apenas três deputados representarão este território, a fazer fé nos resultados oficiais.

Para se ter uma ideia, a título de exemplo, o distrito de Santarém, também com pouco mais de 390 mil cidadãos eleitores, consegue eleger os tais nove deputados, o que confirma a proporcionalidade.

As contas também se podem fazer de outra maneira, embora não respeitando a proporcionalidade do número de eleitores. Se cada concelho elegesse um deputado, o Tâmega e Sousa teria direito a oito dos 18 que representariam o distrito.

É certo que alguns nomes do interior do distrito do Porto, que ocupavam posições secundárias nas listas dos maiores partidos, poderão e deverão ainda aceder ao Parlamento nesta legislatura, mas fá-lo-ão apenas por renúncia ou suspensão dos mandatos dos que foram agora eleitos, eventualmente para poderem assumir funções no Governo.

A coligação PSD/CDS, vencedora no país e no distrito, elegeu 17 deputados no Porto. À espera de uma oportunidade para entrar ficam Leonel Costa, de Felgueiras, que foi 20º, Conceição Ruão, de Paredes, que foi a 21ª, Leonel Vieira, de Lousada, que foi 22º, e Nuno Sá Costa, que foi 26º, de Baião.

Do lado do PS, que elegeu 14 deputados, o primeiro nome da região que ficou de fora foi o amarantino e líder da JS distrital, Hugo Carvalho, que ocupava o 20º degrau.

Ainda mais atrás está, segundo os resultados, é Alexandre Almeida, vereador em Paredes, que foi 22º na lista socialista no distrito.

Porque o PS perdeu as eleições e, por isso, não deverá formar Governo, chegar ao Parlamento é para estes dois socialistas da região aparentemente mais difícil do que no caso dos sociais-democratas.