Associação Empresarial de Felgueiras responsabiliza Câmara por maus acessos à zona industrial de Cabeça de Porca

FOTO: Armindo Mendes

A Associação Empresarial de Felgueiras responsabilizou hoje a Câmara de Felgueiras por não ter sido ainda resolvido o acesso da A11 à Zona Industrial de Cabeça de Porca, para além de outras infraestruturas básicas reclamadas pelos empresários.

“Por inoperância da Câmara de Felgueiras, aquela zona industrial continua adiada, sem infraestruturas básicas, ordenamento, licenciamentos e outras insuficiências que há muito, repetidamente, são reivindicadas pelos empresários”, afirmou hoje o presidente Nuno Fonseca, em declarações à Lusa.

O dirigente falava a propósito do Programa de Valorização das Áreas Empresariais, anunciado recentemente pelo Governo, que contempla novos acessos a zonas industriais, incluindo a de Cabeça de Porca, na zona norte do concelho de Felgueiras.

Zona industrial Cabeça de Porca5

Naquela zona industrial, situam-se empresas de vários setores de atividade, predominando o calçado, que empregam centenas de trabalhadores.

Os empresários têm-se queixado dos maus acessos rodoviários, apesar de uma ligação por via rápida à A11 estar prevista há cerca de duas décadas.

Nuno Fonseca diz congratular-se com a intenção do Governo, considerando que vem colmatar uma reivindicação há muito reclamada para este concelho”.

E acrescentou: “O Governo anuncia um investimento importante para Felgueiras e para o seu tecido empresarial, antecipando-se ao município, que continua a empurrar para a frente, ignorando uma intervenção na Zona Industrial de Cabeça de Porca, que é necessária para um funcional ordenamento capaz de atrair mais investimento”.

O representante dos empresários de Felgueiras recorda, por outro lado, que os municípios da região tiveram recentemente a oportunidade de apresentar propostas no âmbito do Programa Operacional – Norte 2020, para a requalificação de parques empresarias já existentes.

“É do desconhecimento AEF se o nosso município, isoladamente ou em parceria com outra entidade, submeteu alguma candidatura neste âmbito”, lamentou.

A propósito, Nuno Fonseca recordou que junto à zona industrial de Cabeça de Porca, mas já em território do vizinho concelho de Fafe, está a ser construída uma zona de acolhimento empresarial (Regadas), “devidamente estruturada, e que, seguramente, muito irá beneficiar com os novos acessos anunciados pelo Governo.

“O bom exemplo de Fafe”

O empresário de Felgueiras elogia a Câmara de Fafe por ter sabido “acautelar, no âmbito do novo Quadro Comunitário de Apoio, a definição do território como de Baixa Densidade, o que o torna mais atrativo para os investidores”.

Zona industrial Cabeça de Porca2

A título de exemplo, explicou, um empresário que queira investir um milhão de euros beneficiará em Fafe de um apoio superior em cerca de 100.000 euros ao que teria em Felgueiras.

Acresce que, previu Nuno Fonseca, o Município de Fafe vai utilizar como argumentos para a captação de investimento a maior celeridade na apreciação e decisão dos processos de licenciamento, para além das infraestruturas de melhor qualidade.

Recentemente, em declarações à Lusa, o vereador Eugénio Marinho, da Câmara de Fafe, disse estar a verificar-se um grande interesse de empresários de Felgueiras quanto à possibilidade de investirem na futura zona industrial de Regadas.