AUTÁRQUICAS: CDS coliga-se com “Nós Cidadãos” e poderá patrocinar candidatura “Novo Rumo”

O Conselho Nacional do CDS aprovou a coligação autárquica para Felgueiras entre os democratas-cristãos e o partido político “Nós Cidadãos”, uma plataforma com elementos de várias sensibilidades e que, segundo fonte próxima, deverá patrocinar politicamente a candidatura autárquica do movimento “Novo Rumo”.

A líder local do CDS, Carla Carvalho, afirmou recentemente que o seu partido vai concorrer às autárquicas deste ano, no contexto de uma coligação, e que em breve será conhecida a personalidade que encabeçará aquela candidatura.

O Expresso de Felgueiras tentou, sem sucesso, ouvir a presidente do CDS de Felgueiras.

Movimento extravasa matrizes partidárias

Fonte próxima do movimento “Novo Rumo”, que reúne militantes do PSD descontentes com a gestão de Inácio Ribeiro, militantes e simpatizantes de outros partidos, incluindo do PS, avançou hoje ao Expresso de Felgueiras que está a ser ultimada uma candidatura autárquica que assentará, em termos formais, na coligação CDS/Nós Cidadãos.

A estratégia política passará por trabalhar com base na designação “Novo Rumo”, que já está registada, para assim extravasar a matriz partidária, consubstanciando o espírito do movimento que agrega, desde há alguns meses, personalidades com várias sensibilidades partidárias, mas que têm em comum uma visão muito crítica da atual gestão autárquica.

Segundo a fonte, a recente rutura entre o independente Pedro Araújo e o líder da concelhia do PS constituirá um dado novo que o núcleo duro do “Novo Rumo”, que integra a líder do CDS, está a equacionar, no contexto de poder acolher elementos que têm estado no Primeiro MIC.

O movimento deverá ser apresentado na próxima semana, o que permitirá ficar a conhecer algumas personalidades e, porventura, o perfil do cabeça-de-lista.

Vítor Vasconcelos surpreende e é “carta fora do baralho”

Uma carta fora deste “baralho” é Vítor Vasconcelos, presidente de Junta de Airães, que foi durante várias semanas um dos elementos mais ativos do “Novo Rumo”, tendo sido, aliás, equacionada a sua escolha para integrar um dos lugares cimeiros da candidatura à câmara.

Para surpresa de muitos, tendo em conta a postura crítica que foi assumindo ao longo do mandato em relação a alguns aspetos da gestão de Inácio Ribeiro na Câmara, com destaque para o PDM, Vítor Vasconcelos acabou por aceitar recandidatar-se à presidência da junta pelo PSD.