Bombeiros da Lixa assinalaram no sábado o 132.º aniversário da corporação

Os Bombeiros da Lixa realizaram, no sábado, várias atividades naquela cidade de Felgueiras para assinalar o 132.º aniversário daquela que é uma das mais antigas corporações de bombeiros voluntários da região.

 

No âmbito das celebrações, a corporação batizou duas novas viaturas e prestou uma “merecida” homenagem aos operacionais que estiveram na linha da frente em resposta à pandemia da covid-19, explicou ao Expresso de Felgueiras o comandante da corporação.

“Para mim, foi um dos momentos mais altos e de maior simbolismo, em que entregamos um louvor e uma pequena lembrança a este grupo de pessoas que esteve sempre na linha da frente na luta contra a covid”, salientou Vítor Meireles.

As comemorações, sempre pautadas pela segurança e em conformidade com as regras de saúde, frisou o dirigente, começaram na manhã de sábado, com o lançamento de fogo de artifício e uma cerimónia de hastear da bandeira da associação pelas guarnições de serviço.

 

 

Os festejos continuaram durante a tarde, depois de realizadas a formatura geral e o hastear das bandeiras.

A meio da tarde realizou-se um cortejo de viaturas por várias artérias da cidade, seguido da receção aos convidados, nomeadamente do presidente da autarquia, Nuno Fonseca.

Vítor Meireles adiantou que no âmbito das celebrações, a corporação realizou o apadrinhamento do quadro de beneméritos, um ato carregado de simbolismo que relembra pessoas que contribuíram para a corporação.

“São 132 anos de recordações que começaram a deteriorar-se um pouco, portanto tivemos aqui um cuidado para fazer novas lápides e coloca-las num local bem visível”, acrescentou o comandante.

 

Nova recruta vai iniciar formação em breve

Ainda no âmbito das celebrações, os Bombeiros da Lixa realizaram uma nova cerimónia de promoção da sétima recruta de formação de bombeiros, desta vez da forma como pretendiam, com familiares presentes.

Sobre o tema da formação, Vítor Meireles adiantou que abriu, recentemente, uma nova escola com 24 elementos que vão iniciar a sua formação teórica e prática em breve.

O comandante salientou que o número de participantes é grande e espera que todos consigam chegar ao final, sublinhando que há dificuldades nesta área da formação.

 

 

“Espero que consigam vingar e chegar ao fim. Nesta área, os apoios e incentivos são muito poucos e a maior probabilidade, numa escola deste género, é que menos de metade conclua, com sucesso, o curso”, frisou.

O comandante relembrou, ainda, a fanfarra da corporação, que assinalou recentemente o 18ª aniversário e que tem inscrições abertas para novos elementos.

“Não tem havido condições para ensaios e deslocações, portanto, a fanfarra está numa fase mais parada, mas que esperamos que seja ultrapassada”, nomeadamente com o eventual alívio das medidas de segurança, concluiu.