Bombeiros de Felgueiras consideram “suficiente” dispositivo para incêndios florestais

O comandante dos Bombeiros Voluntários de Felgueiras, Júlio Pereira, disse ao Expresso de Felgueiras que o dispositivo de combate a incêndios florestais para este ano será “suficiente”, se as condições meteorológicas foram idênticas às registadas nos dois últimos anos.

O responsável pelo comando operacional frisou estar de acordo com o plano operacional de combate a incêndios florestais que foi recentemente apresentado e com as declarações proferidas pelo secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, em Penafiel.

O responsável pelo corpo ativo dos Bombeiros Felgueiras destacou, por outro lado, que o “mais importante” é a segurança dos soldados da paz.

“Os reforços que estão previstos para 2016 vêm na senda daquilo que aconteceu nos últimos dois anos. Se não houver nada em contrário, julgo que os meios serão suficientes”, afirmou, reconhecendo que este cenário poderá alterar-se com o agravamento das condições meteorológicas.

“O município de Felgueiras tem uma área florestal densa que coabita com uma zona urbana considerável”, sustentou, avisando o concelho se encontra no top 10 das ignições no distrito do Porto.

Referindo-se ao dispositivo que a corporação tem disponíveis para atacar as chamas no concelho, o responsável realçou dispor de um parque automóvel composto por sete viaturas, dois autotanques, três viaturas pesadas e duas viaturas ligeiras.

No que toca aos recursos humanos, avançou que a corporação tem disponíveis para a época de incêndios uma Equipa de Combate a Incêndios (ECIN) e uma Equipa Logística de Apoio ao Combate (ELAC), com sete elementos, que poderá ser reforçada com os bombeiros assalariados e os voluntários da corporação.

A propósito, Júlio Pereira ressalvou que o quartel não tem bombeiros no desemprego e solicitou aos empresários que libertem os funcionários que acumulam a função de bombeiros voluntários quando a sirene toca, de forma a não fragilizar o socorro.

Os Bombeiros de Felgueiras têm uma área de intervenção que cobre 20 freguesias, três das quais são partilhadas com os Bombeiros Voluntários da Lixa.

A época de incêndios começa a 15 de maio e termina a 15 de outubro.