Bombeiros relatam que ambulâncias têm ficado retidas no Hospital de Penafiel

Corporações de bombeiros da região do Tâmega e Sousa queixam-se que as ambulâncias estão a ficar demasiado tempo retidas no Hospital Padre Américo, em Penafiel, situação confirmada hoje à Lusa pela unidade hospitalar.

 

Segundo o Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (CHTS), que tem na unidade de Penafiel a sua urgência médico-cirúrgica, nas últimas duas horas, houve um grande afluxo de doentes à urgência, o que causou, pontualmente, alguma dificuldade”.

Fonte do CHTS acentuou que “esta situação já está resolvida [nas próximas horas] e ficará normalizada”, reforçando que a “afluência à urgência, esta semana, tem sido grande, particularmente ontem”.

Questionado o hospital sobre se a situação descrita decorre do aumento de doentes com covid-19, foi indicado à Lusa que, parcialmente, a situação decorre do aumento do número de doentes na urgência com aquela doença respiratória.

Os comandantes dos bombeiros de Felgueiras e de Marco de Canaveses relataram hoje à Lusa que os tempos de retenção das ambulâncias nas urgências do hospital têm aumentado.

No caso de Felgueiras, segundo o comandante Júlio Pereira, há casos e que os veículos ficam no hospital três horas, porque as urgências não conseguem acolher um número tão elevado de doentes.

“Com várias ambulâncias lá, começa a ficar em causa a nossa disponibilidade para o socorro à população”, alertou.

Sérgio Silva, da corporação de Marco de Canaveses, referiu que tem sido notório, desde o início da semana, um aumento dos transportes de emergência para o hospital Padre Américo e que o tempo de espera aumentou, devido à grande afluência.

“Se isto se mantiver e começarmos a ter de esperar uma ou duas horas vai-nos causar algum transtorno”, admitiu à Lusa.

Contactada hoje corporação de Amarante, foi referido não haver relato de aumento do tempo de espera naquele hospital.