Câmara aumenta despesas com mais vereadores remunerados

Os seis vereadores eleitos por Livre/PS vão ser remunerados | FOTO: Armindo Mendes

A Câmara de Felgueiras vai aumentar as despesas com a nova vereação, ao aprovar a proposta apresentada hoje pelo presidente Nuno Fonseca, o que significará o maior número de sempre de elementos no executivo municipal e também a despesa mais elevada.

 

Esta é a primeira consequência direta do resultado “esmagador” que a coligação Livre/PS conseguiu nas eleições de 26 de setembro, elegendo o presidente e seis vereadores.

O chefe do executivo propôs hoje que a câmara passe a ter cinco vereadores a tempo inteiro, mais um do que no anterior mandato, e um vereador a meio tempo.

Nem no segundo mandato de Inácio Ribeiro a câmara teve tantos vereadores. Nesse período, o executivo tinha três vereadores a tempo inteiro e dois a meio tempo.

Na prática, no mandato que agora se inicia, liderado por Nuno Fonseca, comparando com o primeiro mandato da atual gestão Livre/PS, a câmara terá de suportar o vencimento de mais um vereador a tempo inteiro e um a meio tempo, despesas que acrescem aos vencimentos que transitaram do  anterior executivo – presidente mais quatro vereadores.

Fica-se, entretanto, por saber se a entrada de mais vereadores implicará acréscimo de despesas ao nível das pessoas que fazem o secretariado.

Note-se que no atual quadro legal o presidente tinha competência para determinar dois vereadores a tempo inteiro, o que fez com Ricardo Freitas (ex-adjunto do presidente) e Rosa Pinto.

A vontade do presidente no sentido de aumentar o número de vereadores teve de ser submetida à apreciação do executivo, nos termos da lei, o que foi aprovado pela maioria Livre/PS, de Nuno Fonseca.

Os dois vereadores do PSD abstiveram-se.

Na proposta, o presidente Nuno Fonseca alegou a “complexidade” das matérias da câmara para justificar o aumento do número de vereadores, indicando que o maior número de assalariados no executivo “redundará em evidente benefício para generalidade dos cidadãos”.

Na reunião, a primeira deste mandeato, foi também deliberado atribuir várias competências ao presidente da câmara que transitam do executivo, situação que habitualmente ocorre no início dos mandatos.