Câmara avança com expropriação de 275 mil m2 para expandir zona industrial

A Câmara de Felgueiras aprovou hoje a expropriação de 93 parcelas de terreno, com 275 mil metros quadrados, para a expansão da Zona Empresarial do Alto das Barrancas, disse à Lusa o presidente Nuno Fonseca.

 

Segundo o autarca, o processo destina-se a dar seguimento a uma candidatura ao programa Norte 2020, que obriga o município a ser proprietário dos terrenos situados nas proximidades do nó de Barrosas/Vizela, da A11.

Estima-se que a expropriação dos terrenos, que ocorre no âmbito da expansão do Plano de Urbanização do Alto das Barrancas, compreendendo áreas de Revinhade, Regilde, Penacova e união de Freguesias de Torrados e Sousa, represente um investimento municipal de cerca de 1,5 milhões de euros.

A candidatura ao Norte 2020 aponta, ainda, para um investimento global em infraestruturas de dois milhões de euros, contando com uma comparticipação máxima de 1,5 milhões de euros.

 

NUNO FONSECA DESTACA NEGOCIAÇÃO AMIGÁVEL COM PROPRIETÁRIOS

 

Em declarações à Lusa, Nuno Fonseca salientou hoje que, apesar de se tratar de um processo expropriativo, a sua primeira fase passa por uma negociação amigável.

“Reuni já com todos os interessados. Registo, com enorme satisfação, como todos reagiram, de forma irrepreensível, compreendendo os motivos invocados e, sobretudo, por perceberem o que isto representará para o desenvolvimento do tecido empresarial de Felgueiras”, afirmou, dizendo-se “agradecido e reconhecido a todos”.

A aposta na expansão daquela zona empresarial, assinalou depois, só pode ser concretizada se a câmara for proprietária dos terrenos, para assim poder alocar os apoios europeus, até 1,5 milhões de euros, no âmbito da candidatura que apresentou ao Norte 2020.

 

IMPORTÂNCIA DA PROXIMIDADE AO NÓ DA A11

 

Aquela zona industrial, que já é um dos principais polos empresariais do concelho, tem uma localização privilegiada, porque se situa junto à rotunda do nó da A11, que garante um acesso rápido às infraestruturas de transportes da região do Porto, nomeadamente o Aeroporto Sá Carneiro e o Porto de Leixões, fundamentais, segundo o autarca, para as empresas que apostam nas exportações.

Justifica-se, por isso, rematou, a sua expansão para dar resposta à procura cada vez maior de áreas de implantação de empresas naquela zona do concelho de Felgueiras.

A deliberação que autoriza a câmara a iniciar o processo expropriativo foi aprovada por unanimidade no executivo municipal.

Armindo Mendes/LUSA