Câmara de Felgueiras contrai empréstimo de 6 milhões para melhorar estradas

A contratação de um empréstimo de seis milhões de euros, hoje aprovada pela Câmara de Felgueiras, vai permitir pavimentar a estrada de ligação à Lixa e a Avenida Sarmento Pimentel, ambas muito degradadas.
As duas intervenções, vincou o presidente o presidente da Câmara, vão ser realizadas no decurso do atual mandato autárquico, para corresponder à urgência a que obriga o mau estado dos respetivos pavimentos.
Na Avenida General Sarmento Pimentel, um dos mais movimentados eixos viários da cidade, vão ser investidos 800.000 euros.

avenida das tomadas - felgueiras
Falando à Lusa no final da reunião do executivo, Inácio Ribeiro (PSD) disse que, no caso da ex-EN101, que liga as cidades de Felgueiras e Lixa, a pavimentação, no valor de dois milhões de euros, vai ocorrer nos próximos meses, sendo que, num troço de cerca de dois quilómetros (de Várzea à rotunda de Moure), a partir da sede do concelho, avançará a primeira fase de uma intervenção mais ambiciosa.

FOTO: Armindo Mendes
FOTO: Armindo Mendes

O presidente explicou que é intenção dotar aquele troço de passeios para peões e bicicletas e outras infraestruturas de segurança e lazer. Nas fases seguintes, aquele perfil será estendido até à Lixa, prometeu.
A contratação do empréstimo ocorre, explicou o autarca, num contexto em que a Câmara de Felgueiras tem “boa capacidade” de recurso à banca, depois de ter diminuído o endividamento, em cerca de quatro anos, de 25 para os atuais 11 milhões de euros.
A necessidade desta operação financeira também se deve ao facto de o novo quadro comunitário de apoio (Portugal 2020) não prever verbas para as acessibilidades.
Parte do valor do empréstimo será ainda canalizado para a beneficiação da EM564, entre Airães e o limite com o concelho de Lousada (um milhão de euros), e a aquisição de terrenos para o cemitério da cidade (750.000 euros) e parque da cidade (255.000).
A Câmara está ainda a ponderar usar parte da verba para adquirir um edifício bastante degradado na Praça da República, junto aos paços do concelho, com o objetivo de lá concentrar alguns serviços do município que estão espalhados por outros espaços, incluindo a Polícia Municipal. A estimativa da Câmara aponta para um investimento, nesta operação, de 600.000 euros.
A decisão de pedir um empréstimo foi aprovada por unanimidade. O PS, que está na oposição, disse justificar-se a realização das obras. O primeiro vereador socialista, Eduardo Bragança, criticou o facto de só agora a maioria PSD ter decidido avançar para aquelas intervenções, apesar do “estado vergonhoso” em que se encontram as vias.
O autarca da oposição exortou o presidente a zelar pela boa aplicação das verbas, em exclusivo nas empreitadas que foram propostas pela maioria.
As verbas que decorrem do empréstimo terão de ser aplicadas num período de dois anos, esclareceu o chefe do executivo, mas a sua amortização vai realizar-se nos próximos 15 anos.