Câmara investe 9,5 milhões para reforçar recolha de lixo e varredura das ruas

Felgueiras vai investir em oito anos cerca de 9,5 milhões de euros na recolha de resíduos domésticos e na varredura das ruas, com a promessa de “mais qualidade”, disse hoje à Lusa o presidente da Câmara, Nuno Fonseca.

O autarca explicou que se prevê o reforço do número de recolhas nas zonas onde, atualmente, só ocorre duas vezes por semana, passando a ser três, quando entrar em vigor o novo contrato, no segundo trimestre de 2019.

“Temos verificado que nessas zonas há necessidade de reforçar a recolha”, comentou, admitindo algum descontentamento com o serviço que está a ser realizado, como tem sido comunicado pelos munícipes.

“Não podíamos ignorar esta situação, procurando uma solução economicamente sustentável e que tornasse o concelho mais limpo. O objetivo é que nenhum contentor fique mais de dois dias sem recolha”, reforçou.

Nas zonas urbanas do concelho, nomeadamente nas duas cidades e duas vilas, manter-se-ão as recolhas diárias, com a introdução de contentorização enterrada em algumas zonas.

O serviço de varredura dos arruamentos também vai ser melhorado, anotou.

 

Maria de Belém_protocolo Dignitude_Felgueiras (59)

 

O aumento do número de recolhas não se vai traduzir, acentuou Nuno Fonseca, no acréscimo de encargos para a câmara, nem nas taxas a cobrar aos munícipes, de acordo com o caderno de encargos do concurso público que vai ser lançado pela Associação de Município do Vale do Sousa (Valsousa).

O processo concursal, no valor global de cerca de 16 milhões de euros, vai abranger os concelhos de Felgueiras e Lousada, deixando de ter a companhia de Paços de Ferreira.

O atual contrato, em vigor até ao final de 2018, foi celebrado com a empresa Suma e abrangia os três municípios. Contudo, recentemente, Paços de Ferreira anunciou a intenção de assumir diretamente o serviço de recolha de resíduos domésticos, por considerar ser economicamente mais vantajoso.

Outra novidade é que o concurso público será lançado pelo período de oito anos, mas contemplando uma avaliação intermédia, quando forem cumpridos os primeiros quatro.

“No final de quatro anos, será feita uma reavaliação da prestação de serviços, para podermos puxar as orelhas a quem for adjudicado o serviço no sentido de corrigir algumas anomalias que possam surgir”, explicou.

No caso de Felgueiras, observou ainda Nuno Fonseca, prevê-se também a colocação de dísticos nos contentores, indicando os dias e as horas de recolha, para facilitar a informação aos munícipes.

Por outro lado, no caso dos resíduos depositados nos ecopontos, o serviço de recolha transitará para a empresa Ambisousa, da Associação de Municípios do Vale do Sousa, o que permitirá diminuir os encargos, segundo o autarca de Felgueiras.

 

Armindo Mendes/LUSA