Casa das Artes encerrada desde 2020: Cultura silenciada na maior sala de espetáculos de Felgueiras

Câmara Municipal e Partido Socialista/Felgueiras não responderam às questões enviadas pelo Expresso de Felgueiras

A Casa das Artes, o principal equipamento de atividades culturais do concelho de Felgueiras, está encerrada desde 2020, altura em que teve início a pandemia Covid-19, não havendo ainda data de reabertura e plano de atividades culturais, segundo várias fontes contactadas pelo Expresso de Felgueiras.

 

Durante os últimos quase três anos, a Casa das Artes funcionou apenas durante um período de tempo, em 2021, como Centro de Vacinação Covid-19, antes da transferência daquele serviço para a Lixa, em janeiro de 2022.

Desde essa altura, este edifício cultural mantém-se de portas encerradas ao público.

Segundo as informações recolhidas pelo nosso jornal, a situação deve-se, alegadamente, a necessidade de realização de obras relacionadas com infiltrações e deficiências de construção, aquando da requalificação do edifício, além de obras de manutenção.

 

 

Atualmente, encontra-se em fase de contratualização a realização de uma nova empreitada para obras interiores, contudo ainda sem data prevista de início e conclusão.

 

Na página da Internet da Casa das Artes surge a indicação: “Temporariamente encerrado”, o que acontece desde 2020

 

 

“São justificações atrás de justificações para o encerramento da Casa das Artes que já não colhem.” – Vítor Vasconcelos, vereador da Câmara Municipal de Felgueiras

 

Câmara Municipal e Partido Socialista/Felgueiras não responderam às questões enviadas pelo Expresso de Felgueiras.

 

O Expresso de Felgueiras contactou o executivo municipal para obter esclarecimentos sobre as razões para este encerramento prolongado e plano de reabertura da Casa das Artes.

 

O Executivo Municipal liderado pela coligação PS/Livre não respondeu às questões enviadas.

 

A mesma postura teve o Partido Socialista/Felgueiras, liderado por Marco Silva, que é chefe de gabinete do presidente da Câmara de Felgueiras, Nuno Fonseca.

Vítor Vasconcelos, vereador eleito pelo PSD, referiu ao nosso jornal que já interrogou a maioria várias vezes sobre a causa do encerramento da Casa das Artes.

“O que nos dizem é que há problemas de infiltração e que se está a tentar resolver junto do empreiteiro, mas a verdade é que já passaram muitos meses e continua encerrada”.

Não são conhecidas as obras realizadas nem os seus custos, desconhecendo-se oficialmente também como foram suportados.

A propósito dos custos das obras na Casa das Artes, Pedro Melo Lopes, presidente da Comissão Política do PSD/Felgueiras, explicou ao Expresso de Felgueiras que “a ACLEM acordou com o empreiteiro usar a caução da obra para cobrir as reparações da Casa das Artes”. No entanto, acrescenta o dirigente, “já foram questionados os custos e motivos da demora em reunião de câmara por várias vezes, tendo o executivo se refugiado em justificações de deficiências de empreitada”.

 

A empresa municipal ACLEM recebe mais de meio milhão de euros por ano da autarquia

 

FOTO: Armindo Mendes

 

O Município transfere anualmente do Orçamento Municipal para a ACLEM quase 700 mil euros, com um valor acumulado desde 2009 que já ronda os 7 milhões de euros.

Esta empresa municipal de arte e cultura é responsável pela gestão da Casa das Artes, do Sentium Aula (Escola Adães Bermudas) e do Café Parque em Santa Quitéria. Aquelas infraestruturas encontram-se encerradas e no caso do Sentium Aula ainda sem qualquer atividade, desde a conclusão da empreitada, que aconteceu antes do início da pandemia.

Sobre este contrato-programa do município com a ACLEM, empresa municipal detida integralmente pelo município, Pedro Melo Lopes considera que ser “incompreensível o número de funcionários e o valor do contrato programa de 660 mil euros que a Empresa Municipal que gere este equipamento [Casa das Artes] dispõe, mesmo estando encerrado”.

Apesar de a Casa das Artes estar encerrada desde 2020, em abril de 2021 a ACLEM, contratualizou por ajuste direto com a Ticketline uma prestação de serviços de gestão e utilização de um sistema de bilheteira eletrónica por quase 4 mil euros.

Esta empresa municipal realizou em 2022 vários contratos por ajuste direto, incluindo um contrato de serviços de assessoria jurídica, no valor de 6 mil euros, celebrado em maio, e um de serviços especializados de contratação pública, que ascende a quase 13 mil euros, contratualizado em dezembro.