CHTS prevê lista de espera para o máximo de nove meses

O Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa prevê a redução progressiva da lista de espera, permitindo, em dezembro, o máximo de nove meses de espera, anunciou fonte da instituição.

 

Após a suspensão de parte da atividade nos casos não urgentes, devido à pandemia de covid-19, aquele hospital iniciou, em maio, o processo de retoma da atividade assistencial.

“Apesar das quebras verificadas durante a pandemia, as últimas semanas têm já apresentado resultados muito próximos dos obtidos nos meses anteriores à pandemia”, lê-se no comunicado do CHTS.

E adianta: “Mantém-se a previsão de que em julho as listas vão estar ao nível de dezembro de 2019, ou seja, 12 meses como máximo de tempo de espera. Em setembro vão estar reduzidas para o máximo de 11 meses, em novembro, 10 meses, e em dezembro, o máximo definido será de nove meses”.

Para 2020, ainda antes da pandemia de covid-19, a tutela definiu objetivos ainda mais ambiciosos que passavam por garantir, a 31 de dezembro, listas de espera a não ultrapassar os 12 meses para cirurgia e os nove meses para consulta.

“No CHTS quisemos ser ainda mais ousados do que a tutela e definimos como meta para dezembro de 2020 listas que não ultrapassem os nove meses, quer para consulta, quer para cirurgia”, disse Carlos Alberto, presidente do conselho de administração, citado no comunicado.