CIM do Tâmega e Sousa prepara dossier para certificação do Caminho de Torres

A Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa (CIM Tâmega e Sousa) informou que realizou, na sexta-feira, uma reunião na Casa das Artes de Felgueiras para preparar o dossier da candidatura do Caminho de Torres como itinerário certificado do Caminho de Santiago.

 

O projeto “Valorização Cultural e Turística do Caminho de Santiago – Caminho de Torres” é liderado pela CIM do Tâmega e Sousa, em parceria com as Comunidades Intermunicipais do Alto Minho, do Ave, do Cávado e do Douro.

O Caminho de Torres, que liga Salamanca a Santiago de Compostela, em Espanha e um dos quatro itinerários jacobeus estruturados em Portugal e atravessa três concelhos da Região Centro e 15 da Região Norte.

Esta iniciativa visa “o levantamento histórico e geográfico do caminho e a valorização e intervenção do traçado de 230 quilómetros correspondentes à extensão do território de influência” daquele percurso nas cinco comunidades que participam neste projeto, explica a organização, em comunicado.

 

 

Segundo os proponentes, pretende-se reconhecer o cumprimento de um conjunto de critérios que visam garantir, entre outros, a autenticidade do itinerário, o seu caráter ininterrupto no território e no tempo e “uma gestão responsável e de valorização da oferta”, entre outros.

“A sua certificação vai permitir aumentar o número de visitantes nos sítios e atrações culturais ou naturais associados ao Caminho de Torres, bem como contribuir para a valorização da identidade cultural das regiões envolvidas no projeto”, acrescenta.

Segundo a CIM do Tâmega e Sousa, o dossier será elaborado por Paulo Almeida Fernandes, assessor científico do projeto e autor do livro Caminho de Torres. História de um Caminho. Um Caminho na História.