Cooperativa de Felgueiras com aumento de 30% na produção de quivis

A produção de quivis da Cooperativa Agrícola de Felgueiras aumentou cerca de 30% em relação a 2016, com mais 200 toneladas de fruto apanhadas na campanha de 2017, avançou ao Expresso de Felgueiras fonte da instituição.

“Este ano a campanha permitiu a colheita de 800 toneladas de fruto, mais 200 que em 2016”, revelou Rui Madeira Pinto, diretor daquela cooperativa.

A campanha do quivi, que termina na sexta-feira, reuniu cerca de 100 associados, distribuídos pelo Vale do Sousa, mas também oriundos de Castelo de Paiva, Ribeira de Pena e Guimarães.

Ao Expresso de Felgueiras, Rui Madeira Pinto avançou que a qualidade do quivi “é muito boa, superior à de 2016”, mas o calibre é mais pequeno, devido à falta de água.

Cerca de 90% da produção de quivis é destinada ao mercado espanhol e os restantes 10% destinam-se a pequenas empresas que adquirem o fruto na cooperativa.

“A procura pelo quivi é cada vez maior”, evidenciou o diretor da instituição.

O preço médio por quilograma de quivi vai rondar o valor de 2016, a custar cerca de 0,80 cêntimos o quilograma.

Rui Madeira Pinto confessou que a produção de quivis é uma “aposta estratégica e um pilar importante” para a Cooperativa de Felgueiras e por isso, a instituição irá avançar, em 2018, com o aumento da capacidade de equipamentos de frio.

“Temos muitas pessoas a procurar-nos para alugar as câmaras de frio para os frutos vermelhos e cogumelos e por isso, e pelo aumento na produção de quivis, vamos aumentar a capacidade”, disse o diretor.