Covid-19: Bombeiros de Amarante alertam que equipamentos de proteção estão a acabar

Lusa

Os Bombeiros Voluntários de Amarante (BVA) alertaram hoje que os equipamentos de proteção individual poderão acabar esta semana, comprometendo a capacidade de resposta da corporação na pandemia de Covid-19.

 

Em declarações à agência Lusa, o comandante Rui Ribeiro confirmou que se aproxima uma “situação crítica”, na qual se pode ficar “sem capacidade de resposta” nos casos de suspeita de infeção.

“Até pode ser num serviço normal em que se verifique, repentinamente, que a vítima tem febre. Sem esse equipamento, não poderemos continuar a prestar auxílio”, acentuou.

O comandante referiu que já informou a direção da situação, que está à procura de uma solução junto das entidades oficiais.

Várias corporações de bombeiros da região do Tâmega e Sousa têm assumido a insuficiência dos equipamentos de proteção distribuídos no início desta crise.

Na semana passada, os Bombeiros Voluntários de Vila Meã, também no concelho de Amarante, lançaram um apelo nas redes sociais e imprensa local para a doação de material de proteção individual.

Aquela corporação referiu insuficiências, sobretudo máscaras, apelando à doação por parte de clínicas, centros veterinários e dentistas, entre outros.

Há relatos de empresas do concelho que já se disponibilizaram para ceder vários equipamentos de proteção aos bombeiros, como viseiras, luvas, máscaras e solução desinfetante.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 386 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram cerca de 17.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 6.077 mortos em 63.927 casos. Segundo as autoridades italianas, 7.024 dos infetados já estão curados.

Em Portugal, há 30 mortes, mais sete do que na véspera, e 2.362 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que regista mais 302 casos do que na segunda-feira.

Dos infetados, 203 estão internados, 48 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 22 doentes que já recuperaram.

Portugal encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de quinta-feira e até às 23:59 de 02 de abril.

Além disso, o Governo declarou dia 17 o estado de calamidade pública para o concelho de Ovar.

Armindo Pereira Mendes/Lusa

C/ Paulo Teixeira