Covid-19: Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa com reforço de profissionais de saúde

O Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa vai admitir um infeciologista, 30 enfermeiros e 30 assistentes operacionais para reforçar a resposta à pandemia da Codiv-19, disse à Lusa fonte hospitalar.

 

O reforço, já autorizado pela tutela, vai procurar corresponder a uma “realidade nova que implica adaptações diárias”, mas que “está em crescimento permanente”, situação que deverá manter-se nos próximos tempos na região do Tâmega e Sousa, onde vivem mais de meio milhão de pessoas.

O CHTS, com unidades em Penafiel e Amarante, constitui a resposta hospitalar para região onde surgiram os primeiros casos de Covid-19 em Portugal, nomeadamente para os concelhos de Felgueiras e Lousada.

Alguns dos casos que têm sido identificados nos últimos dias no Tâmega e Sousa têm passado pelo CHTS, assinalando-se que os dois hospitais têm “tarefas de intervenção destinadas a tratar doentes de Covid-19.

Como elemento mais visível do reforço de meios, o hospital de Penafiel está a ser dotado de uma estrutura de apoio ao serviço de urgência, com cerca de 600 metros quadrados, no exterior do edifício principal, para receber casos suspeitos de Covid-19, que vai começar a funcionar no fim de semana.

Ao novo serviço, indica-se, vão ser “alocados médicos, enfermeiros, assistentes operacionais, técnicos de imagiologia e administrativos, por turnos”.

Prevê-se que o encaminhamento ocorra “em função dos sintomas de febre, tosse e dificuldade respiratória”.

“Será um serviço de rápido atendimento de doentes com problemas respiratórios, com consulta e exames de deteção de coronavírus para os que justificarem”, informa o CHTS.

À Lusa, a administração refere, por outro lado, que se espera que o laboratório daquele centro hospitalar veja em breve reforçada a sua capacidade de resposta, “em particular otimizando os kits e reagentes que se encontrem disponíveis no mercado”.