Covid-19: Empresários pedem ao Governo medidas excecionais de apoio

A Associação Empresarial de Felgueiras (AEF) apelou hoje ao Governo que seja criada um pacote de medidas excecionais de apoio aos empregadores e empregados do concelho, dado o “impacto económico negativo” do surto de Covid-19 em Felgueiras.

 

Em comunicado, a AEF pede a redução ou isenção da taxa de TSU já para o corrente mês e por um período nunca inferior a seis meses.

Os empresários do concelho, com o maior número de casos de Covid-19 confirmados como positivos, “estão a sofrer impacto económico” do surto do novo coronavírus.

A AEF adianta que “são vários os casos documentados de colaboradores não residentes que se recusam trabalhar em Felgueiras”.

A associação refere, ainda que “os colaboradores que estão em quarentena têm reduzido a capacidade de produção da empresa, o que tem acontecido sobretudo na indústria do calçado, que usa mão de obra intensiva e está fortemente exposta à concorrência global”.

O encerramento das escolas do concelho é também uma preocupação para os empresários, dado que “há trabalhadores permanecem indisponíveis para o trabalho pela necessidade de guarda dos filhos”.

A AEF acrescenta, ainda, que se denota “uma grande redução da afluência de pessoas ao comércio, serviços e hotelaria de Felgueiras, facto que se repercute nos resultados das empresas destes setores”.

Reportadas são também dificuldades no abastecimento de matérias primas e redução de encomendas, o que origina atrasos nas produções e incumprimento dos prazos de entrega.

Os empresários de Felgueiras têm, ainda, relatado “dificuldades” e “recusa de trabalho fora do concelho”.