Covid-19: Nuno Fonseca pede ao Governo que autorize feiras no concelho

O presidente da Câmara de Felgueiras pediu ao Governo autorização para a realização de feiras no concelho, considerando ser “justo” por haver “planos de contingência específicos” para aqueles locais e ser permitido aos estabelecimentos comerciais funcionarem.

 

Num ofício a que a Lusa teve hoje acesso, dirigido ao primeiro-ministro e ao ministro da Economia, o autarca Nuno Fonseca especifica que “foram criadas condições” para o bom funcionamento das feiras e mercados no concelho e que não foi “reportado qualquer contágio ligado” aquela atividade.

No dia 22 de outubro, uma Resolução do Conselho de Ministros definiu medidas especiais para os concelhos de Felgueiras, Lousada e Paços de Ferreira, entre as quais a suspensão de feiras e mercados.

No documento, o autarca refere que o “surto pandémico” afetou “gravemente a economia”, que o setor das feiras e mercados “já se encontrava em dificuldades” e que este impedimento da atividade em Felgueiras “agrava seriamente as dificuldades económicas” dos profissionais do setor.

“Considero justo que seja permitido o funcionamento das feiras e mercados, tal como acontece com os estabelecimentos comerciais, com as regras oportunamente e eficazmente implementadas ou outras que eventualmente entendam introduzir, sendo que asseguraremos o cumprimento das mesmas”, escreve Nuno Fonseca.

O autarca discrimina as medidas que foram tomadas para assegurar o bom funcionamento das feiras e mercados no concelho, enumerando que foi definido “controlo de acesso, circuitos para entradas e saídas”, que se “disponibilizaram dispensadores de álcool e gel à entrada e à saída” e se determinou “a obrigatoriedade do uso de máscara”.

Para além disso, foi “definida de uma lotação máxima para garantir a segurança dos feirantes e dos clientes”.

Nuno Fonseca assegura ainda que se “afetaram técnicos para assegurar o cumprimento” e que, “com as regras implementadas, o funcionamento das feiras decorreu com sucesso, não havendo qualquer evidência que permita concluir que esta atividade represente maior risco do que as outras atividades comerciais”.

Portugal contabiliza pelo menos 2.428 mortos associados à covid-19 em 132.616 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos no mundo desde dezembro do ano passado.

JCR // ACG

Lusa/Fim