Covid-19: Presidente alerta para “segregação” de munícipes fora do concelho

Nuno Fonseca garantiu à Agência Lusa que a “indignação de Felgueiras” já foi comunicada ao Governo | FOTO| ARMINDO MENDES

O presidente da Câmara de Felgueiras, Nuno Fonseca, alertou hoje para as “muitas queixas” de pessoas que estão a ser “segregadas” fora do concelho, só por serem de Felgueiras, algo que o autarca diz ser “inadmissível”.

 

“É uma discriminação e uma intolerância que não faz sentido, contra a qual bater-me-ei até às últimas consequências”, comentou, em declarações à Lusa, referindo que a “indignação de Felgueiras” já foi comunicada, pelos canais oficiais, ao Governo.

Nos municípios de Felgueiras e Lousada, no distrito do Porto, foram detetados vários casos de novo coronavírus, o que levou a Direção-Geral Saúde a determinar o encerramento de todas as escolas e outros espaços públicos e privados, como medida para tentar conter o surto.

 

DISCRIMINAÇÃO EM EMPRESAS, HOSPITAIS E UNIVERSIDADES

Insistindo na “denúncia das situações de discriminação”, o autarca de Felgueiras dá como primeiro exemplo o facto de o município de Cantanhede ter suspendido, na terça-feira, por um período de 15 dias, uma empreitada de requalificação de duas ruas na cidade, pelo facto de alguns trabalhadores serem de Felgueiras.

O presidente da câmara diz, também, haver queixas dos bombeiros de Felgueiras sobre dificuldades no acesso ao Hospital de Penafiel, quando procedem ao transporte de doentes.

À Lusa, acrescentou haver relatos de alunos de Felgueiras, aos quais não foi permitido frequentar as aulas da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e de munícipes que têm sido confrontados com dificuldades nas suas atividades profissionais, como um empresário que pretendia levantar umas amostras em Barcelos e terá sido impedido de o fazer.

Há também a indignação de uma pessoa que exerce a sua atividade fora do concelho e que terá sido convidada pela entidade patronal a não trabalhar nestes dias por ser de Felgueiras.

Anotou, também, haver queixas de dificuldades no atendimento de munícipes em equipamentos de saúde da rede pública na região e em zonas mais afastadas no país.

Também na terça-feira, em Santarém, acrescentou, foi adiado um julgamento, só porque um dos advogados era de Felgueiras.

 

“DEMASIADOS CASOS DE DISCRIMINAÇÃO”

Para Nuno Fonseca, “são demasiados casos envolvendo pessoas de Felgueiras que estão a ser injustamente prejudicadas nas suas vidas”.

“As pessoas de Felgueiras não podem aceitar isto”, reforçou.

O autarca recorda que o concelho vive um momento difícil, devido às medidas impostas pelas autoridades de saúde para tentar conter o surto de coronavírus e que “casos de discriminação” como os que indicou acentuam ainda mais o quadro adverso.

Nuno Fonseca acentua que o concelho de Felgueiras, “graças aos méritos dos seus empresários e trabalhadores, é um dos que mais contribui para a riqueza nacional” e que, também por isso, deve merecer do país “toda a solidariedade e compreensão”.

O edil termina com “um apelo a todos os portugueses para que estejam atentos e não permitam que as pessoas de Felgueiras sejam prejudicadas”.

Armindo Mendes/LUSA