Crianças de Fafe escrevem a António Guterres para “melhorar o mundo” (C/ÁUDIO)

Centenas de crianças de Fafe serão as “estrelas” na abertura da terceira edição do “Terra Justa”, ao colocar no marco de correio postais com mensagens, de sua autoria, para António Guterres sobre “como melhorar o mundo”.

“Vão escrever um postal ao secretário-geral da ONU, António Guterres, que foi aqui homenageado em 2016, dando uma ideia do que pensam as crianças de Fafe do que deve ser feito para melhorar o mundo”, explicou Raul Cunha, presidente da autarquia local.

A terceira edição do “Terra Justa – Encontro Internacional de Causas e Valores da Humanidade”, que se realiza de 4 a 8 de abril, em Fafe, terá como tema as crianças e o tráfico de seres humanos.

A título simbólico, o marco aonde vão ser depositados os postais vai ser colocado, nos dias 4 e 5 de abril, junto aos Paços do Concelho.

Os postais, com mensagens das crianças, serão posteriormente enviados pelo Município ao secretário-geral das Nações Unidas, que foi a personalidade homenageada no “Terra Justa – Encontro Internacional de Causas e Valores da Humanidade”, de 2016.

Em declarações à Lusa, Raul Cunha sublinhou que o momento fará a transição entre o que aconteceu no ano passado e o que vai acontecer na edição de 2017, que tem como tema principal as crianças.

Os postais foram redigidos nas escolas, pelas crianças que frequentam o primeiro ciclo, público e privado, correspondendo ao desafio lançado pela organização do encontro.

O presidente da Câmara enalteceu o entusiasmo com que a ideia foi recebida por professores e alunos, acrescentando que a iniciativa permitiu divulgar “os valores e os problemas das crianças”, incluindo o tráfico de seres humanos.

A terceira edição do “Terra Justa – Encontro Internacional de Causas e Valores da Humanidade”, que se realiza de 4 a 8 de abril, em Fafe, terá como tema as crianças e o tráfico de seres humanos.

No evento vão participar dezenas de convidados nacionais e estrangeiros, incluindo representantes de organizações não governamentais, como tem ocorrido desde a primeira edição (2015).

No centro do debate e reflexão, estarão “questões que afetam milhões de crianças em todo o mundo, do tráfico, à fome, passando pelos campos de refugiados onde crescem milhares de crianças”, explicou o presidente da autarquia.

A organização “Talitha Kum”, uma rede internacional criada em 2009, com presença em 70 países e que combate o tráfico de pessoas, vai ser uma das entidades homenageadas no evento.

A UNICEF, o Instituto Apoio à Criança e a Fundação Champalimaud também serão destacadas com momentos que evidenciarão as respetivas atividades.

Como em edições anteriores, a organização vai promover conferências e tertúlias de café com os convidados. Do programa constarão exposições de rua, teatro de rua, debates, momentos musicais e arte pública.

Para ligar todas as edições do evento, existe um “Mural das Causas”, um bloco de granito situado no centro da cidade, no qual os homenageados têm deixado mensagens para o futuro destinadas a serem lidas, a partir de 2042.

APM // JGJ

Lusa/Fim