Diminuição do desemprego no Tâmega e Sousa beneficia mais as mulheres

Dos 12 municípios do território, dez apresentam uma evolução positiva, destacando-se Celorico de Basto, com uma diminuição de 28% no número de desempregados. Naquele concelho do interior do distrito de Braga, há um saldo positivo de 512 postos de trabalho. A mão-de-obra feminina foi a mais beneficiada

O desemprego na região do Tâmega e Sousa diminuiu 13% no último ano, beneficiando mais mulheres do que homens, revelam números oficiais.

De acordo com os dados mais recentes do Instituto de Emprego e Formação Profissional, há menos 3.647 mulheres sem trabalho, o que representa 63% dos ganhos globais em matéria de empregabilidade no território. Entre os homens, a diminuição foi menor, mas o saldo é positivo, fixando-se numa redução de 2.481 inscritos nos centros de emprego.

Ao todo, a região apresenta 39.954 desempregados, menos 6.128 do que há um ano.

Os resultados apurados resultam da comparação entre os dados de outubro de 2013 e o mês homólogo de 2014.

Dos 12 municípios do território, dez apresentam uma evolução positiva, destacando-se Celorico de Basto, com uma diminuição de 28% no número de desempregados. Naquele concelho do interior do distrito de Braga, há um saldo positivo de 512 postos de trabalho. A mão-de-obra feminina foi a mais beneficiada.

Nos maiores concelhos do Vale do Sousa, a evolução positiva é acentuada, destacando-se os municípios do designado ‘cluster’ do mobiliário, como Paredes e Paços de Ferreira, onde o número de desempregados diminuiu cerca de 16%. Aquele indicador sugere uma viragem na evolução negativa que se verificava há vários anos com a crise do mobiliário. No conjunto dos dois concelhos verifica-se a inscrição de menos 2.689 pessoas.

De acordo com os dados oficiais, Penafiel e Lousada também recuperaram, juntando-se a Felgueiras, concelho que já apresentava, há vários meses, uma evolução positiva em matéria de empregabilidade.

Felgueiras apresenta, aliás, a taxa mais baixa de desemprego do território, traduzindo o bom momento do setor do calçado, que tem naquele município o maior polo de produção e exportação do país.

Nos dois maiores concelhos do Baixo Tâmega (Amarante e Marco de Canaveses), a evolução foi positiva, embora menos acentuada do que no Vale do Sousa. Amarante e Marco viram diminuir 8% os números do desemprego, apresentando resultados próximos em termos absolutos, com ligeira vantagem para Amarante.

Em Resende, no distrito de Viseu, o mais pequeno concelho do território do Tâmega e Sousa, o desemprego baixou 14%.

Em Baião, o número de escritos diminuiu ligeiramente, mas aumentou entre os homens.

Cinfães e Castelo de Paiva foram os concelhos com resultados negativos, embora mais vincados no primeiro município, onde os inscritos subiram 7%.

Em Castelo de Paiva, o crescimento no número de desempregados foi de 3%, afetando apenas os homens. Entre as mulheres, os inscritos até diminuíram naquele concelho do distrito de Aveiro.

 

APM // MSP

Lusa/fim