Empresas tecnológicas com centro de competências na ESTG de Felgueiras

na ótica da ESTGF, o Centro de Competências agora constituído com as duas tecnológicas “constitui o principal elemento diferenciador” do projeto pedagógico face à concorrência, porque “contará com as mais recentes tecnologias para a elaboração conjunta de novas soluções e produtos para as empresas, em termos domésticos, mas também internacionais”

Duas empresas tecnológicas criaram, em Felgueiras, um Centro de Competências desenvolvido em parceria com Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras (ESTGF), do Politécnico do Porto, avançou à Lusa fonte do projeto.
O Centro de Competências, que integra a tecnológicas ‘Peakit’ e ‘PetaPilot’, vai permitir às duas empresas aceder aos recursos humanos formados na escola, através do Gabinete de Apoio ao Empreendedor (GAE), nas áreas de tecnologias de informação e gestão para o desenvolvimento de novos produtos, entre outras.
As duas empresas operam nos domínios das tecnologias digitais com soluções de software pioneiras e aplicações reconhecidas internacionalmente.
Ambas as tecnológicas têm as multinacionais Microsoft, a IBM e a Oracle como parceiros tecnológicos.
Segundo o estabelecimento público de ensino superior politécnico, a ‘Peakit’ e a ‘PetaPilot’ estão atentas ao tecido empresarial da região do Tâmega e Sousa, concretamente calçado, têxtil mobiliário”.
A escola evidencia, por outro lado, que as duas empresas tecnológicas procuram “associar-se ao novo enquadramento proposto pelo modelo formativo da Licenciatura em Sistemas de Informação para a Gestão”.
O novo Centro de Competências permitirá às duas empresas ultrapassar a dificuldade que têm sentido nos últimos anos na captação de técnicos licenciados, possibilitando, também, a proximidade à comunidade científica. Esse aspeto, reforça ainda o estabelecimento, “é essencial para o desenvolvimento de produtos com elevada componente de inovação e com necessidades acentuadas de investigação e desenvolvimento”.
Os parceiros privados do projeto dizem acreditar que, “ao investir na região, de uma forma estrutural e trazendo os melhores recursos para formar convenientemente os alunos”, tanto em tecnologia, como nas melhores práticas empresariais, será possível “obter um grande retorno”.
“Felgueiras tem uma cultura de indústria, de produção de produto, de distribuição e promoção internacional. Porque não aproveitar essa experiência nestas empresas e nos produtos que desenvolve”, defendem ainda.
Por outro lado, na ótica da ESTGF, o Centro de Competências agora constituído com as duas tecnológicas “constitui o principal elemento diferenciador” do projeto pedagógico face à concorrência, porque “contará com as mais recentes tecnologias para a elaboração conjunta de novas soluções e produtos para as empresas, em termos domésticos, mas também internacionais”.

APM // MSP

Lusa/fim