Felgueiras espera poupar 2,5 milhões com inclusão de variante no PRR

A inclusão da variante de Cabeça de Porca, em Felgueiras, no Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) pode traduzir-se numa poupança para o município de 2,5 milhões de euros, disse hoje à Lusa o presidente da câmara, Nuno Fonseca.

 

O autarca afirmou-se satisfeito com a decisão de incluir a infraestrutura rodoviária naquele plano de investimentos com fundos europeus, sobretudo, anotou, se a obra for financiada a 100% no contexto do PRR, “como se espera”.

O presidente recorda que o custo estimado da variante é de 8,5 milhões de euros e que no âmbito de um acordo celebrado com o Governo caberia à câmara assumir 15% dos encargos, além das expropriações de terrenos.

“Se o apoio for a 100% é uma ótima notícia para Felgueiras”, reforçou, indicando que os 2,5 milhões que o município previa investir naquela infraestrutura poderão ser afetados a outros investimentos importantes para o concelho.

O PRR inclui um conjunto de investimentos rodoviários, em vários pontos do país, incluindo a variante em Felgueiras, para melhorar as acessibilidades às zonas industriais, no valor global de 190 milhões de euros.
No caso concreto de Felgueiras, Nuno Fonseca disse que decorre nesta fase a execução do projeto, a cargo da Infraestruturas de Portugal, e que se prevê que a obra possa ser iniciada em 2022.

Uma das questões que está a atrasar o processo é o facto de o município ter solicitado, há vários meses, à Agência Portuguesa do Ambiente (APA) a dispensa de realização de um estudo de impacte ambiental, mas até ao momento não há resposta daquela entidade pública, lamentou Nuno Fonseca.

A futura variante aproximará a zona industrial de Cabeça de Porca da A42 e vai aliviar a rede viária atual, por onde passam 30 mil veículos por dia, segundo dados da Infraestruturas de Portugal.
O Plano de Recuperação e Resiliência de Portugal, para aceder às verbas comunitárias pós-crise da covid-19, prevê 36 reformas e 77 investimentos nas áreas sociais, clima e digitalização, num total de 13,9 mil milhões de euros em subvenções.

Depois de um rascunho apresentado à Comissão Europeia em outubro passado e de um processo de conversações com Bruxelas, o Governo português colocou hoje a versão preliminar e resumida do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) em consulta pública.

O documento está estruturado em “19 componentes, que integram por sua vez 36 reformas e 77 investimentos”, a que serão alocados 13,9 mil milhões de euros em subvenções a fundo perdido das verbas europeias pós-crise e 2,7 mil milhões de euros em empréstimos.