FELGUEIRAS: Silêncio “confrangedor” do PSD face aos casos de Nuno Fonseca

Militantes “laranjas”, alguns dos quais ex-dirigentes, estranharam esta manhã que a concelhia do PSD, liderada por Pedro Melo Lopes, não se tenha ainda pronunciado sobre um caso “urgente” que põe novamente Felgueiras nas “bocas do mundo pelas piores razões”

Várias horas após a notícia replicada em inúmeros órgãos de comunicação nacional, que aponta para indícios de crimes de prevaricação na Câmara de Felgueiras (Livre/PS) alegadamente praticados por presidente, vice-presidente e ex-chefe de gabinete, arguidos num inquérito do Ministério Público da Comarca do Porto Este, não se conhece, até ao momento, uma posição política do PSD sobre este caso, a única força política da oposição com assento no executivo, o que está a desencadear desconforto entre destacados militantes daquele partido, cada vez menos disfarçável.

 

Silêncio ensurdecedor do PSD

 

Militantes “laranjas”, alguns dos quais ex-dirigentes, estranharam esta manhã que a concelhia do PSD, liderada por Pedro Melo Lopes, não se tenha ainda pronunciado sobre um caso “urgente” que põe novamente Felgueiras nas “bocas do mundo pelas piores razões”.

Para um ex-membro da concelhia, que pediu o anonimato, esta postura da atual liderança está em linha com o que se tem observado nos últimos tempos, nomeadamente o facto de o PSD local nunca assumir uma posição crítica e clara à gestão, optando muitas vezes pelos silêncios ou posturas inócuas, quando estão na ordem do dia situações desconfortáveis para a gestão de Nuno Fonseca, o que tem sido notado pelo eleitorado em geral e sinalizado por dirigentes distritais e nacionais social-democratas.

“A gravidade desta situação na câmara deveria merecer rápida posição crítica do PSD, exigindo explicações ao presidente da câmara sobre o que se está a passar”, afirmou.

 

“Infelizmente, este é o PSD que temos há bastante tempo, que não cumpre com o seu papel de oposição”

 

Para outro militante, esta postura do atual PSD não surpreende, indo de encontro a algo parecido, quando saiu uma grande reportagem na revista Sábado que apontava para alegadas irregularidades no processo de licenciamento de uma habitação adquirida pelo presidente da câmara, optando então os social-democratas locais por um “silêncio confrangedor”, apesar das fortes dúvidas que ficaram no ar entre a opinião pública e a estupefação de dirigentes distritais.

“Infelizmente, este é o PSD que temos há bastante tempo, que não cumpre com o seu papel de oposição, defraudando muitos felgueirenses”, reforçou o militante.

Entretanto, sabe-se, a paupérrima performance da concelhia nestes meses, sobretudo da dupla Pedro Melo Lopes/Rui Oliveira, que desiludiu e teve eco, sobretudo nas estruturas distritais, impactou na posição de difícil eleição para a qual foi relegado Pedro Melo Lopes na lista de candidatos a deputados pelo distrito do Porto.