Orçamento de 43 ME aprovado em Fafe tendo em conta a situação de pandemia

O orçamento municipal de Fafe, já aprovado pelo executivo, aponta para um valor de 43 milhões de euros e a sua preparação teve em conta a situação de pandemia de covid-19, informou hoje a autarquia.

 

Em comunicado, aquele município do distrito de Braga realça que o orçamento de 2021 foi reforçado em cerca de três milhões em euros, comparando com a dotação de 2020.

“Este orçamento foi elaborado com base numa política de rigor e uma situação financeira saudável e equilibrada. É um orçamento focado no apoio às pessoas, às famílias e às empresas”, comenta o presidente Raul Cunha, citado no comunicado enviado à agência Lusa.

Trata-se de um orçamento que, “apesar do aumento das despesas correntes motivadas pela atual situação pandémica, permite, mesmo assim, transferir da receita corrente 1,5 milhões de euros para aplicar em investimento, o que representa uma poupança significativa”, pode ler-se no comunicado.

Refere-se, também, que manter-se-ão em 2021 “as políticas de descentralização, colocando os recursos financeiros à disposição das Juntas de Freguesia, no montante de dois milhões de euros, para que possam concretizar os projetos que nas suas freguesias mais falta façam”.

As funções sociais contarão no próximo ano com 16,2 milhões, “destacando o investimento contínuo em ações sociais, habitação e serviços coletivos, educação e serviços culturais e recreativos”.

A autarquia evidencia, por outro lado, o investimento de 15,6 milhões de euros na execução de “um conjunto de obras de grande relevância para os fafenses, como a conclusão da obra de recuperação do Bairro da Cumieira, a reabilitação do espaço público da zona envolvente, a construção da nova piscina municipal, as obras para a erradicação das coberturas com amianto nas escolas, a construção do pavilhão da escola Prof. Carlos Teixeira e a requalificação e manutenção em vários edifícios escolares do concelho”.

Prevê-se, também, o investimento na rede viária, salientando-se a regeneração urbana no Bairro do Retiro e o início das obras de reparação da zona de Santo Ovídio e S. Brás.