Paredes espera construir 405 casas e reabilitar 122 com apoio do PRR

223 novas casas destinadas a agregados familiares com mais baixos rendimentos

A Câmara de Paredes conta construir 405 habitações e reabilitar 122 com o apoio do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), num investimento superior a 64,3 milhões de euros, segundo disse hoje o presidente da autarquia, Alexandre Almeida.

 

Em declarações à Lusa, o autarca assinala que as candidaturas apresentadas preveem que as obras sejam executadas até ao final de 2026, abrangendo habitações sociais e casas a rendas acessíveis, em vários pontos daquele município do distrito do Porto.

Para o autarca, o investimento anunciado propõe-se, nomeadamente, “aumentar a oferta de arrendamento acessível no concelho, especialmente para a população mais jovem, e privilegiar a qualidade de vida e a promoção da fixação da população em Paredes”.

“Mitigar as necessidades habitacionais no concelho é o nosso objetivo”, destacou ainda.

O programa aponta para 223 novas casas destinadas a agregados familiares com mais baixos rendimentos, correspondendo a 28,8 milhões de euros, parte das quais já em execução.

Em obra, na sua fase final, encontram-se 26 fogos para realojar uma comunidade com cerca de uma centena de pessoas que vive há décadas em barracas numa das principais entradas da cidade. Aquela intervenção, quando concluída, permitirá demolir o acampamento, libertando terreno para o município construir um edifício com 30 fogos para renda acessível.

No âmbito das candidaturas ao PRR, prevê-se também a construção de nove fogos em Paredes, 47 em Lordelo, oito em Rebordosa, 18 em Vandoma, 37 em Gondalães, 20 em Cete, 42 em Vilela e 16 em Duas Igrejas.

Por outro lado, ao nível da reabilitação de fogos existentes, num investimento de 8,4 milhões de euros, aponta-se para 122 casas, 55 das quais em Cristelo, já em execução.

As restantes 67 serão na sede do concelho.

Quanto à construção de imóveis para rendas acessíveis, segundo o presidente da autarquia, “a disponibilizar às famílias da classe média e a jovens que não encontram respostas no mercado”, serão 182, no valor de 27,1 milhões de euros.

Estão previstas 24 para Baltar, 16 para Gandra, 18 para de Mouriz, 37 para Rebordosa, 22 para Sobreira e 65 para Paredes.

APM // JAP

Lusa/Fim