PSD do Tâmega e Vale do Sousa exige ao Governo uso de fundos comunitários para ampliar CHTS

Oito concelhias do PSD do Tâmega e Vale do Sousa e a distrital do PSD Porto exigiram hoje, em comunicado, que o Governo assuma um compromisso de investimento em obras de ampliação do Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (CHTS), “utilizando fundos europeus”.

 

Os sociais democratas dizem “estar preocupados com a falta de capacidade de resposta do CHTS, “que se encontra numa situação crítica”.

“A solução de esvaziamento das urgências através da transferência de doentes para outras unidades hospitalares da região Norte e Centro apenas mascara temporariamente a situação de caos e desespero que se tem vivido nas últimas semanas e meses”, salientam num comunicado.

O PSD acusa o Governo de e os autarcas socialistas da região de “ignorarem os problemas que se vinham a agravar, ano após ano, no Centro Hospitalar Tâmega e Sousa” e lembram que “o Hospital de São Gonçalo, em Amarante, está, desde a sua inauguração, escandalosamente subdotado de valências e de recursos materiais e humanos”.

“Há mais de dois anos que o PSD tem publicamente repetido a exigência de reforço dos meios técnicos e humanos neste Centro Hospitalar, seja no parlamento, seja através dos seus presidentes de Câmara, seja pelas suas estruturas concelhias do PSD de Amarante, Baião, Felgueiras, Lousada, Marco de Canaveses, Paços de Ferreira, Paredes e Penafiel”, acrescentam.

Os sociais democratas dizem, ainda, que a vinda de António Costa à região e, na sexta-feira, da ministra da Saúde, “nada trouxe de novo”.

“Desta forma, as estruturas do PSD dos concelhos do Vale do Sousa e do Tâmega exigem uma resposta capaz e um compromisso público do Governo com o reforço urgente de meios para este Centro Hospitalar”, vincam, acrescentando:

“Exige-se que, no âmbito dos Fundos Europeus que chegarão ao nosso país nos próximos meses, o senhor primeiro-ministro assegure que será realizado um forte investimento na ampliação e reorganização do Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, adequando a capacidade de resposta desta infraestrutura às necessidades da região”.

O documento enviado à comunicação social está assinado pelas concelhias de Amarante, Baião, Felgueiras, Lousada, Marco de Canaveses, Paços de Ferreira, Paredes, Penafiel e pela distrital do Porto.