PSD/Felgueiras critica Câmara por não devolver dinheiro do IRS aos munícipes

O PSD/Felgueiras acusou hoje o presidente da Câmara, Nuno Fonseca (PS/Livre) de não devolver aos munícipes com rendimentos 5% de IRS, no âmbito do orçamento autárquico para 2021, medida que os social-democratas dizem defender.

 

Aquele partido, que é oposição no concelho desde as autárquicas de 2009, após oito anos, no poder, recorda que a atual gestão poderia devolver até 5% daquele imposto aos cidadãos com rendimentos de trabalho, acabando esse dinheiro por ficar nos cofres da autarquia.

“Nuno Fonseca, presidente da Câmara Municipal de Felgueiras, entende que as Famílias felgueirenses não precisam de apoio e apresentou uma proposta, em reunião de câmara, de não devolução do IRS”, lê-se no comunicado enviado à Lusa.

O PSD insiste que o chefe do executivo, “insensível ao crescente desemprego local e às dificuldades que a pandemia causou nas famílias”, optou por manter a arrecadação máxima de receita nos cofres municipais e ignorou os apelos do PSD para “que devolvesse rendimento aos felgueirenses, potenciando o poder de compra e ajudando, indiretamente, o comércio local”.

Segundo aquele partido, “este era o ano em que poder e oposição poderiam concertar posições nas matérias da derrama e da devolução do IRS, na defesa das famílias e das empresas”.

“Seria um sinal de esperança à população a partilha da totalidade dos 1.172.709 euros”, refere o PSD, baseando-se nos dados de 2019.

“Ou até de 50% desta verba, o que daria um aumento do rendimento disponível a quem trabalha de aproximadamente 600 mil euros”, acentua ainda o partido, concluindo: “Em claro contraciclo com o que se está a passar a nível nacional, o presidente da Câmara Municipal de Felgueiras não informou o Executivo do fim específico a que se destina a arrecadação total desta verba no Município”.

 

CÂMARA ACUSA PSD DE POPULISMO E IRREALISMO

Sobre esta posição do PSD, a gestão PS/Livre liderada por Nuno Fonseca recorda hoje que o “o PSD Felgueiras tem responsabilidades acrescidas na gestão autárquica municipal, uma vez que governou o município durante oito anos”, acrescentando que a proposta que aquele partido apresentou de “redução de arrecadação de receitas é populista e absolutamente irrealista, uma vez que não é acompanhada da redução na mesma proporção da despesa”.

“Afinal o que pretende o PSD Felgueiras, onde pretende cortar, na saúde, na educação, no saneamento básico, no desporto e no apoio às associações desportivas, nas obras comparticipadas implicando a devolução de fundos comunitários, como aconteceu no passado nos tempos da sua governação, ou deixar de pagar os salários aos colaboradores do município?”, questiona a maioria, numa nota enviada à Lusa.

Segundo a gestão de Nuno Fonseca, “a proposta de orçamento para 2021 já reflete uma redução nas despesas correntes superior a um milhão de euros”.

“Os felgueirenses merecem respeito, verdade e credibilidade, esse é o nosso compromisso. Não obstante as dificuldades encontradas desde o início deste mandato, em que nos deparámos com inúmeros problemas que se arrastavam há vários anos, e a luta contra esta pandemia que nos assola de forma inimaginável, conseguimos imprimir uma dinâmica única e tão ansiada pelos Felgueirenses”, lê-se ainda na resposta da maioria.

Segundo a equipa de Nuno Fonseca, “esta dinâmica permitiu projetar e colocar em prática tudo aquilo que eram recursos disponíveis e subaproveitados no município, que hoje se vão materializando, dia a dia, no nosso concelho”.

“Acreditamos que 2021 será o ano de libertação da pandemia. Consequentemente, continuará a ser um ano de reforço e aposta naquilo que é um projeto ambicioso, iniciado em 2017, de continuidade, que permitirá continuar a afirmar este grande concelho de Felgueiras”, conclui a nota enviada à redação.