PS/Fafe retirou confiança política ao presidente da Câmara, Raul Cunha

O PS/Fafe anunciou hoje ter retirado a confiança política ao presidente da Câmara, Raul Cunha, cuja recandidatura nas autárquicas deste ano é apoiada pela direção nacional, mas contestada pela concelhia.

Em conferência de imprensa, o líder da estrutura local socialista José Ribeiro explicou que a retirada da confiança se deveu ao acordo que o presidente da câmara anunciou ter celebrado com o movimento “Independentes por Fafe”, a segunda força política no concelho, para as próximas autárquicas, sem o conhecimento dos órgãos concelhios do PS.

“O presidente da Câmara anunciou-se nosso adversário ao constituir uma coligação com os independentes”, afirmou aos jornalistas.

José Ribeiro Fafe3
FOTO: Armindo Mendes

O dirigente prosseguiu, frisando que, “face a este comportamento e à hipocrisia política com que o presidente da Câmara sempre jogou, desde a altura das eleições internas, em junho, até hoje, ele não é mais merecedor do apoio e do reconhecimento” da estrutura local.

José Ribeiro acrescentou que “nunca, em circunstância alguma”, o presidente da Câmara “deu qualquer sinal de que pudesse pôr em causa” o acordo de governação com o PSD “e muito menos de que estava a preparar um outro acordo”.

O presidente da concelhia socialista informou também que os três vereadores do PS que integram a equipa liderada por Raul Cunha vão ser chamados ao partido para, a partir da próxima semana, analisar com o Secretariado as agendas das reuniões de câmara.

“A partir deste momento, iremos discutir a agenda da Câmara no partido, o que, até agora, dada a confiança política que tínhamos, nunca aconteceu, mas passará a acontecer”, exclamou.

José Ribeiro afirmou que os vereadores devem fazer as suas escolhas, “se acompanham a secção de Fafe do PS ou se também se hipotecam ao PS de Lisboa nesta divergência”.

“Os senhores vereadores foram eleitos numa lista do PS, são militantes do PS e estão obrigados à disciplina do PS, à regra do PS”, observou o dirigente, prevendo que se a orientação do partido não for cumprida será retirada a confiança política aos vereadores.

Ribeiro prometeu depois que “a direção do PS não se vai constituir em oposição ao executivo”, mas avisou: “Seremos mais seletivos e mais cuidadosos na apreciação dos assuntos”.

O presidente do PS/Fafe reafirmou, por outro lado que, não vai desistir de levar até às eleições autárquicas o candidato escolhido pelos órgãos locais, o ex-vereador Antero Barbosa.

Recentemente, a direção nacional avocou o processo autárquico de Fafe, impondo a recandidatura de Raul Cunha, contra a vontade da concelhia, que impugnou aquela decisão por considerá-la ilegal.

“Estamos certos de que nos assiste razão jurídica, para além da política”, considerou.

O dirigente afirmou hoje que os órgãos locais do PS vão aguardar até 30 de março a decisão da Comissão Nacional de Jurisdição.

Caso a decisão não seja favorável às pretensões da concelhia, o PS/Fafe anunciou que recorrerá para o Tribunal Constitucional.

“Levaremos até final a nossa luta. Não desistiremos de levar o doutor Antero Barbosa a presidente da Câmara de Fafe nas próximas eleições”, reafirmou.