PS/Felgueiras denuncia situação “calamitosa” em escola, câmara diz que obras já começaram

O PS/Felgueiras denunciou hoje a “situação calamitosa” da Escola Básica Frei Lucas, na sede do concelho, criticando a degradação do estabelecimento, com “riscos para a saúde”, mas a câmara de maioria PSD diz que já começaram as obras.

“A escola apresenta infiltrações graves em praticamente todos os espaços do edifício, o que origina a existência de riscos elétricos muito elevados e condições para fungos derivados das infiltrações graves”, lê-se num comunicado socialista enviado à Lusa.

Ainda segundo o PS, a situação no estabelecimento conduziu ao registo de vários e repetidos problemas de saúde pulmonares e respiratórios nos alunos”.

O vice-presidente da Câmara e vereador da Educação, João Sousa, ouvido hoje pela Lusa, confirmou a existência de problemas no edifício, mas negou haver quaisquer riscos elétricos, frisando que essa situação foi confirmada numa visita técnica à escola na companhia de encarregados de educação.

As atividades letivas do estabelecimento, inaugurada em 2009, compreendem 172 alunos, 75 dos quais do ensino pré-escolar.

No comunicado enviado à Lusa, o PS critica a gestão social-democrata por só ter iniciado as obras depois de os encarregados de situação terem ameaçado encerrar o estabelecimento se a situação não fosse resolvida.

Escola Frei Lucas em Felgueiras 3

“Devido a manutenção inadequada e falta de resposta aos avisos e apelos consecutivos dos pais e encarregados de educação por parte do Executivo, a escola chegou a um estado de conservação calamitoso, apresentando riscos sérios de integridade e saúde pública para a comunidade escolar”, lê-se no documento.

Ainda segundo o PS, “apesar de a situação se ter tornado caótica devido às mais recentes intempéries, a degradação das instalações escolares tem acontecido ao longo do tempo sem que a autarquia tenha intervindo de forma adequada e diligente”.

Sobre estas acusações, o vereador explicou que a intervenção só não ocorreu mais cedo devido incumprimento, no ‘timing’, do empreiteiro contratado. João Sousa explicou que as obras no interior do estabelecimento já foram iniciadas, prevendo-se que decorram até ao final desta semana, aproveitando a paragem de carnaval e os dias de quinta-feira e sexta-feira. Nesses dias não haverá atividades letivas, que serão compensadas no final do ano letivo.

Também esta semana, se as condições meteorológicas permitirem, também deverão ser realizados trabalhos no exterior do edifício. Se tal não for possível, a obras avançarão quando o tempo melhorar, mas não obrigarão à suspensão das atividades educativas.

A estimativa inicial para as obras apontava para um investimento de 19.938 euros, mas um levantamento mais refinado das condições do edifício determinou um investimento adicional de 15.000 euros, frisou.

O autarca assinalou também que nos últimos meses o Município efetuou obras de melhoramento em oito dos 15 centros escolares do concelho, que apresentavam vários tipos de problemas, num investimento de 250.000 euros.

 

APM // JGJ

Lusa/Fim