Quinze dirigentes do PS/Vizela demitem-se descontentes com líder Dinis Costa

Quinze elementos da Comissão Política do PS de Vizela apresentaram hoje a demissão, em conjunto, por discordarem da “trajetória política adotada pelo presidente da concelhia”, Dinis Costa, avançou hoje à Lusa fonte partidária.

Segundo a fonte, o pedido de demissão foi apresentado por escrito, numa carta subscrita pelos 15 dirigentes, à qual a Lusa teve acesso, dirigida ao líder do PS de Vizela, o atual presidente da Câmara, Dinis Costa.

Na lista de militantes que pediram a sua demissão da Comissão Política constam dois presidentes de junta (Mário José Oliveira e Manuel Pedrosa), um antigo presidente de junta (José Carlos Sousa), a líder e o vice-líder da bancada do PS na Assembleia Municipal (Maria Agostinha Freitas e Agostinho Guimarães), um antigo vice-presidente da Câmara (Joaquim Costa) e mais dois fundadores do partido em Vizela (Joaquim Caldas e Armindo Sampaio).

Na carta lê-se que a decisão de demissão ocorre após “uma reflexão profunda, abrangente e plural” dos subscritores, que alegam “discordar da trajetória política adotada pelo atual presidente da Concelhia Dinis Costa”.

Segundo o documento, “ao longo dos últimos anos todos os resultados eleitorais acusam uma progressiva rutura entre o presidente da concelhia de Vizela e a população vizelense”.

Na carta recorda-se ainda que Dinis Costa “garantiu a todos os socialistas vizelenses que não seria mais candidato” e defende-se que o atual líder do partido em Vizela “tem tomado decisões em nome dos socialistas, à revelia destes”.

“Esta decisão afasta os agora demissionários de qualquer responsabilidade da derrocada do PS em Vizela, a qual, depois de suceder, será irreversível”, lê-se ainda.

Os subscritores referem demitir-se com “profunda tristeza a amargura”.

No final do documento enviado hoje à Lusa, surgem as assinaturas dos ex-militantes Victor Hugo Salgado, que foi vice-presidente da Câmara de Vizela, e de Joaquim Meireles, antigo presidente da Junta de Freguesia de Santa Eulália. Os dois dizem juntar-se, de forma solidária, aos dirigentes que hoje apresentaram a demissão.

No final de maio, o ex-vice-presidente da Câmara de Vizela, Vítor Hugo Salgado, anunciou publicamente que será candidato à liderança da autarquia em 2017, um processo que disse ser irreversível, com ou sem o apoio do PS local.

“Eu avanço com esta candidatura e serei candidato à câmara municipal. Neste momento, não posso registar se esta candidatura vai ter ou não o apoio de qualquer partido, em particular o apoio do PS”, afirmou, em declarações à agência Lusa.

Vítor Hugo Salgado foi o número dois do executivo de maioria PS liderado por Dinis Costa. Os dois foram adversários numa recente disputa interna (comissão política) para a escolha do cabeça-de-lista nas próximas autárquicas, numa eleição que foi favorável ao presidente da autarquia.

Após aquele embate, o presidente da Câmara retirou os pelouros, a confiança política e o regime de permanência ao até então vice-presidente do Município de Vizela e responsável pela gestão financeira da autarquia.

Confrontado esta tarde com o anúncio de demissão dos 15 dirigentes, o presidente da Concelhia disse à Lusa não ter constituído “qualquer surpresa” aquela decisão, que considerou “coerente”.

Dinis Costa recordou que aqueles dirigentes discordam há muito da estratégia do Partido Socialista e que, por isso, o pedido de demissão até é “tardio”.

“Já devia ter feito isso há muito”, apontou.

O líder da Concelhia acrescentou que hoje reunir-se-á a Comissão Política e que os dirigentes demissionários serão substituídos por outros.

Questionado pela Lusa sobre se, não obstante as críticas dos militantes que agora se demitiram, mantém a intenção de se candidatar a mais um mandato na presidência da Câmara de Vizela, respondeu que está “legitimado” pelo partido para o fazer.

Dinis Costa recusou fazer mais comentários às demissões hoje anunciadas.