Rali de Portugal: Vencedor será decidido domingo em Felgueiras e Fafe

O vencedor do Rali de Portugal 2021 será decidido no último dia, domingo, nas passagens pelas classificativas de Felgueiras/Santa Quitéria, Fafe/Montim e Fafe/Lameirinha.

 

Os dois primeiros da classificação geral, Elfyn Evans (Toyota Yaris WRC) e Dani Sordo (Hyundai i20 WRC) partem para o último dia de prova separados por 10,7 segundos.

Depois de um primeiro dia de rali (sexta-feira) disputado no Centro do País que eliminou Thierry Neuville (Hyundai i20 WRC) por despiste, e que consagrou Armindo Araújo (Skoda Fabia Rally2) como o vencedor da componente pontuável para o Campeonato de Portugal de Ralis; o segundo dia, corrido a Norte, nas classificativas de Vieira do Minho, Cabeceiras de Basto e Amarante foi amargo para Ott Tanak (Hyundai i20 WRC) que desistiu após acidente na segunda passagem pela classificativa de Amarante (penúltima classificativa do dia) quando liderava a classificação com mais de 20 segundos de vantagem. Quem teve uma prestação cinzenta ao longo dos dois primeiros dias do Rali de Portugal foi o campeão em título Sebastien Ogier (Toyota Yaris WRC) que ocupa o terceiro lugar, mas já a mais de um minuto do seu colega de equipa na Toyota.

Assim, a decisão do vencedor da edição do Rali de Portugal será feita ao cronómetro nas passagens pela classificativa de Felgueiras/Santa Quitéria (que regressa ao rali 23 anos depois), Fafe/Montim e Fafe/Lameirinha, no último dia de prova, o que constitui um excelente aliciante para os adeptos que se deslocarão às classificativas, que até agora têm tido um comportamento exemplar cumprindo as regras de segurança e sanitárias nas Zonas Espetáculo.

Quanto aos portugueses, depois de cumpridos dois terços do Rali de Portugal (15 das 20 classificativas), Armindo Araújo (Skoda Fabia Rally2) é o melhor em 21.º lugar, seguido pelo piloto da Hyundai Bruno Magalhães (Hyundai i20 R5) em 23.º, navegado pelo felgueirense Carlos Magalhães que amanhã regressa à competição em “casa”, numa ocasião que classificou de “emocionante” e numa classificativa – Santa Quitéria -, “que gosto muito”.

 

Hélder Quintela