Seca sem impacto no kiwi e vinho verde na região de Felgueiras – cooperativa

No ano passado, a produção de kiwi foi de 2,5 milhões de quilos, nos 200 hectares repartidos por 120 produtores, uma quantidade que deverá manter-se

Os últimos meses secos não deverão afetar a produção de kiwi e vinho verde na região de Felgueiras, onde as reservas de água no subsolo, apesar de baixas, ainda se têm revelado suficientes, segundo a cooperativa agrícola.

 

Fonte da direção indicou à Lusa que os poços e as minas do território ainda têm sido capazes de abastecer os sistemas de regadio utilizados nas duas culturas.

A cooperativa de Felgueiras é um dos maiores produtores nacionais de kiwi e vinho verde.

No ano passado, a produção de kiwi foi de 2,5 milhões de quilos, nos 200 hectares repartidos por 120 produtores, uma quantidade que deverá manter-se.

A direção da cooperativa assinala que as áreas de produção daquele fruto, a maioria com poucos anos de exploração, têm todas “modernos sistemas de rega” e o tipo de ramadas também protege o fruto das queimaduras solares.

 

 

No caso da vinha, a maioria dos 700 produtores associados também têm soluções tecnológicas que minimizam o impacto da seca e das altas temperaturas.

São regularmente usadas técnicas de proteção e regas de precisão, explicou a fonte. Por isso, prosseguiu, é espera uma produção semelhante à do ano passado – cerca de sete milhões de quilos.

Contudo, há registo de alguns casos de acidentes climáticos e até participações ao seguro de prejuízos provocados pelos incêndios, revelou.

Em termos qualitativos, face às ondas de calor, admite-se que o vinho possa ser um pouco mais ácido, mas só as vindimas, que começarão em meados de setembro, confirmarão essa tendência.

 

Armindo Mendes, da Agência Lusa