Vítor Mota responsável pelas equipas A e B do Várzea FC (C/ÁUDIO)

Vítor Mota foi o treinador escolhido para orientar o Várzea Futebol Clube na nova época. O técnico, de 36 anos, vai liderar a formação principal, que vai disputar a 1.ª Divisão da Associação de Futebol do Porto (AFP), mas também será responsável pela recém-criada equipa B, que vai competir na 2.ª distrital.

 

O técnico, com ligação aos escalões jovens do emblema do concelho de Felgueiras, diz que aceitou o desafio por considerar que “o projeto é extremamente aliciante”.

“Vamos tentar construir algo diferente em Várzea. Queremos mudar, ter uma imagem completamente diferente, dar um passo a pensar no futuro. Queremos criar uma cultura de vitória. Pretendemos que as nossas equipas sejam competentes e possam entrar em todos os jogos para ganhar os três pontos”, revela.

 

 

Vítor Mota explica que os plantéis das duas equipas estão “praticamente fechados e com muitas mexidas”.

A formação principal manterá “uma base de jogadores com alguma experiência”, mas também será constituída por atletas mais jovens “que passarão inicialmente pela equipa B”.

“Mas como é evidente, não vamos olhar a idades. Ou seja, se um jogador jovem tiver qualidade pode ser imediatamente integrado na equipa A. O que nós queremos é que haja qualidade e, independentemente da idade, que nos possam ajudar a alcançar, num futuro próximo, os objetivos do clube”.

 

 

A equipa B foi criada para ser um espaço no qual os atletas provenientes da formação do Várzea “possam evoluir, competindo num campeonato onde já entram outro tipo de jogadores”, adianta Vítor Mota.

“Temos alguns atletas que na época passada estavam na equipa principal, mas que nesta fase, por força da idade, vão iniciar na equipa B. Depois haverá, com certeza, várias trocas ao longo do ano, em função do rendimento e daquilo que acharmos que é melhor para o progresso de cada jogador”.

 

 

O arranque da 1ª Divisão AF Porto deve suceder apenas em outubro. Um campeonato para o qual o treinador do Várzea recusa colocar uma “fasquia muita elevada”, no que aos objetivos da temporada diz respeito, sobretudo, por se tratar de “um ano zero” para o clube.

Ainda assim, Vítor Mota confessa que pretende “andar sempre pela metade superior da tabela”. Uma candidatura à subida de divisão está fora dos planos do conjunto felgueirense, mas o treinador admite “reformular os objetivos a meio da época”, se a equipa entrar bem na competição.

“Temos de ser realistas. Sabemos que há dois, três clubes, pelos reforços que contrataram e pelo investimento que foi feito, que têm esse objetivo. A fase inicial da época vai dizer-nos se teremos capacidade para, numa segunda metade do campeonato, lutar por objetivos mais ambiciosos. Ou seja, não vamos deixar de tentar a subida, se isso se proporcionar”, diz.

 

 

Na época anterior, o Várzea FC passou por dificuldades. Na altura da interrupção do campeonato, devido ao surto da covid-19, a equipa felgueirense encontrava-se na 13.ª posição da tabela, com apenas três pontos de vantagem para a zona de descida.

Vítor Mota, que terá Zé Miguel como treinador adjunto, pretende “uma equipa com maior estabilidade” e acima de tudo realizar “um campeonato mais descansado”.